Introdução ao Macintosh

Abril 2017

A história do Macintosh

Este artigo tem como objetivo reconstituir a história da Apple (a empresa da maçã) em suas grandes linhas e, mais particularmente, do seu produto mais conhecido: o Macintosh.

Steve Wozniak e Steve Jobs eram dois amigos do segundo grau a quem devemos a criação do primeiro computador da Apple. Seus primeiros passos na indústria informática foram na Hewlett Packard (Wozniak) e Atari (Jobs). Foi Steve Wozniak que teve a primeira inspiração criando, o que seria mais tarde, o Apple I (1976). Seu amigo Jobs o incentivou e no dia 1º de Abril de 1976 criaram a empresa Apple Computer, para poder vender o Apple I. Esta primeira máquina não foi um sucesso e será preciso esperar 1977 antes que o Apple II se torne o primeiro sucesso da empresa:


Para aquela época, as características da máquina eram excepcionais, ou seja, até 64 KB de RAM, processador de 1Mhz, interface gráfica com 6 cores 280x192, ou 16 cores em 40x48, sem disco rígido e leitor de disquetes opcional.

O Apple II

Em 1980, o Apple II foi lançado e a empresa já contava com alguns milhares de empregados. Jobs começou a trabalhar no projeto Lisa:


Lisa

Mas os diretores, insatisfeitos, o retiraram do projeto. Assim eles se interessaram por outro projeto: o Macintosh, um computador pessoal de 500 dólares:


Infelizmente, todo crescimento tem um fim, e em 1981, a empresa conheceu a sua primeira crise, ou seja, as vendas diminuíram, Wozniak sofreu um acidente de avião que pôs em causa a sua vida profissional e, a cereja no topo do bolo, a IBM lançou o primeiro PC que, impulsionado pelo gigantismo da empresa, ultrapassou rapidamente as máquinas da Apple.

Jobs compreendeu rapidamente que a Apple precisava de uma direção à altura dos seus concorrentes comerciais. Assim, foi Sculley (presidente da Pepsi-Cola) que assumiu a direção da empresa em 1983 (aliás, 'Think Diferent' apareceu tanto nos Macs quanto nos anúncios da Pepsi). A coabitação entre os dois homens não foi das mais fáceis.

O lançamento do primeiro Macintosh

Este evento se deu em 22 de Janeiro de 1984 e foi um sucesso até o Natal, quando os compradores começaram a hesitar, desanimados pela falta de conectividade do disco rígido. Em 1985, os desentendimentos entre Sculley e Jobs foram se agravando, a tal ponto que depois de um estratagema infrutífero de Jobs, o conselho de administração votou a favor de Sculley. Jobs se demitiu e os meses que se seguiram não foram economicamente rentáveis.


Aí então, a capacidade de Sculley para dirigir uma empresa informática foi questionada. Os primeiros conflitos com a Microsoft começaram a aparecer: o lançamento do Windows 1.0 levou a um acordo que afirmou que a Microsoft não utilizaria a mesma tecnologia usada pela Apple. O Mac saiu da crise graças ao aparecimento de ferramentas e softwares de engenharia assistida por computador (como impressoras PostScript e PageMaker).

O lançamento do Mac II

Em 1987, o Mac II confirmou este renascimento da Apple, a tal ponto que muitos acreditavam que o Windows nunca poderia atrapalhar o desenvolvimento do Mac (1989). Mas clones do PC apareceram e, em maio de 1990, o lançamento do Windows 3.0, que podia ser executado em cada um desses clones, foi motivo de alarme para a Apple, que ainda era o único fabricante de Macintosh.

O aparecimento do PowerBook

A ideia de concessão de licenças aos fabricantes para aumentar a produção do Mac foi descartada pelo novo CEO, Michael Spindler, que assumiu o cargo em junho de 1993. Em 1991, a Apple lançou os primeiros PowerBook e foi um grande sucesso. Então, a Apple começou a investigar sobre os assistentes pessoais digitais, que levariam, mais tarde, ao lançamento do Newton, em agosto de 1993. O sistema de reconhecimento de escrita, não muito afinado, não obteve um parecer muito favorável por parte dos usuários. Em 1994, surgiram os primeiros PowerMac. Estas máquinas, que utilizavam um processador desenvolvido em conjunto pela IBM e Motorola, rivalizaram, e até ultrapassaram, a velocidade dos mais recentes processadores Pentium. Paralelamente, foram atribuídas licenças a algumas empresas para construírem clones de Mac que rodavam no MacOS (Power Computing, Umax, etc.), mas esta abertura não foi suficiente para preencher o atraso na política comercial da Apple. Além disso, o lançamento do Windows 95 complicou mais a situação. Em Janeiro de 1996, enquanto a Apple atravessava a sua pior crise, o Performa, máquina de baixo custo, foi um novo fracasso e Spindler se viu obrigado a se demitir. Gil Amelio o substituiu.

A reestruturação

No final de 1996, a situação era a mesma, a Apple anunciou a compra da NeXT e a renomeação de Steve Jobs. O objetivo desta fusão era integrar o núcleo da NeXTstep no desenvolvimento do futuro MacOS (projeto Rhapsody, previsto para 1998). No início de 1997, Amélio se viu obrigado a se demitir, pois não teve êxito na recuperação da empresa. Jobs, então, assumiu funções mais importantes na Apple e não hesitou em tomar decisões para reestruturar a empresa. Em Agosto de 1997, durante o MacWorld de Boston, Jobs centrou o seu discurso sobre inovação e mudança, incluindo o anúncio de novas campanhas publicitárias, de um novo Mac, do avanço do projeto Rhapsody e, sobretudo, de um acordo assinado com a Microsoft. Este acordo permitia que ambas as empresas compartilhassem patentes durante 5 anos. A Apple ofereceu 150 milhões de dólares em ações para a Microsoft e a Microsoft pagou uma soma que não foi revelada para a Apple para resolver questões de propriedade intelectual que surgiram durante o desenvolvimento do Windows.


Quanto aos clones, um problema que roubou mais clientes da Apple, sem aumentar as vendas dos Macs, Jobs decidiu recuperar as licenças que tinham sido concedidas e parar a produção dos fabricantes.

Em Novembro de 1997, Jobs anunciou que a partir daquele momento, a venda do Mac seria feita, diretamente com o fabricante, pela Internet ou pelo telefone. Ele também anunciou o lançamento do PowerMac e do PowerBook G3. Em uma semana, a Apple Store tornou-se o terceiro maior site de e-commerce na Web.

O iMac

Em Janeiro de 1998, Jobs anunciou o primeiro resultado positivo desde mais de um ano. Em Maio, ele apresentou o lançamento de um novo tipo de Mac: o iMac, com uma relação preço/desempenho projetada para atender os usuários regulares. Ele também explicou que o projeto MacOS X se basearia não somente no Rhapsody (a tecnologia NeXT), mas também no MacOS 8. O ano de 1998 foi cheio de lucros para a Apple, já que os iMacs se venderam como pão quente. Em 1999, o lançamento do PowerMac G3 ‘azul e branco’ e o anúncio da saída do iBook mantiveram o ritmo. Em seguida, veio o anúncio da geração PowerMacs G4.

Em Janeiro de 2000, a apresentação da linha iTools de serviços online, mostrou que a Apple tinha uma nova estratégia resolutamente orientada para a Internet e Steve Jobs anunciou que permaneceria na direção da empresa.

Veja também


Macintosh - Introduction
Macintosh - Introduction
Macintosh - Introducción
Macintosh - Introducción
Macintosh - Introduction
Macintosh - Introduction
Macintosh - Introduzione
Macintosh - Introduzione
Última modificação: 26 de abril de 2017 às 12:42 por ninha25.
Este documento, intitulado 'Introdução ao Macintosh', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.