Introdução à programação orientada a objetos

Setembro 2015

Um novo conceito de desenvolvimento



Tirado do "No coração do ActiveX e OLE"", de David Chappel

"Durante os últimos 35 anos, os criadores de material informático passaram de máquinas da dimensão de um hangar a computadores portáteis ligeiros baseados em minúsculos microprocessadores.
Durante os mesmos anos, os criadores de software passaram da escrita de programas em assembler e COBOL à escrita de programas ainda maiores em C e C++. Poderá falar-se de progresso (embora isto seja discutível), mas é claro que o mundo do software não progride tão rapidamente como o do material. O que têm então os criadores de material que os criadores de software não têm?

A resposta é dada pelos componentes. Se os engenheiros de material electrónico tivessem de partir de ummonte de areia de cada vez que concebiam um novo dispositivo, se a sua primeira etapa fosse sempre extrair o silício para fabricar circuitos integrados, não progrediriam rapidamente. Ora, um criador de material constrói sempre um sistema a partir de componentes preparados, cada um encarregado de uma função específica e fornecendo um conjunto de serviços através de interfaces definidos. A tarefa dos criadores de material está consideravelmente simplificada pelo trabalho dos seus antecessores.

Reutilizar é também uma via para a criação de melhores softwares. Hoje ainda, os criadores de software estão sempre a partir, de certa forma, da areia, e a seguir as mesmas etapas que as centena de programadores que os precederam. O resultado é frequentemente excelente, mas poderia ser melhorado. A criação de novas aplicações a partir de componentes existentes, já testados, tem todas as possibilidades de produzir um código mais fiável. Além disso, pode revelar-se claramente mais rápida e mais económica, o que não é menos importante. "

 

Os métodos objecto


A modelização objecto consiste em criar uma representação informática dos elementos do mundo real pelos quais se interessa, sem estar a preocupar-se com a aplicação, o que significa independentemente de uma linguagem de programação. Trata-se por conseguinte de determinar os objectos presentes e de isolar os seus dados e as funções que os utilizam. Para tal, foram criados métodos. Entre 1970 e 1990, numerosos analistas desenvolveram abordagens orientadas para os objecto, de modo que em 1994 existiam mais de 50 métodos objecto. Contudo, só 3 métodos emergiram verdadeiramente:

  • O método OMT de Rumbaugh
  • O método OOCH' 93 de Booch
  • O método OMT de Jacobson




A partir de 1994, Rumbaugh e Booch (a quem se juntou Jacobson, em 1995) uniram os seus esforços para criar a linguagem de descrição UML (Unified Modeling Language), que permite definir uma linguagem standard incorporando as vantagens dos diferentes métodos precedentes (bem como as de outros analistas). Permite nomeadamente "programar" inteiramente uma aplicação com uma linguagem que modela todas as componente do futuro programa.

Para uma leitura offline, é possível baixar gratuitamente este artigo no formato PDF:
Introducao-a-programacao-orientada-a-objetos .pdf

Veja também


Introduction to object-oriented programming
Introduction to object-oriented programming
Introducción a la programación orientada a objetos
Introducción a la programación orientada a objetos
Einführung in die Objektorientierte Programmierung
Einführung in die Objektorientierte Programmierung
Programmation orientée objet
Programmation orientée objet
Introduzione alla programmazione orientata oggetto
Introduzione alla programmazione orientata oggetto
Este documento, intitulado « Introdução à programação orientada a objetos »a partir de CCM (br.ccm.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.