RFID (Radio Frequency IDentification)

Dezembro 2016

Introdução à RFID

A abreviatura RFID significa “Radio Frequency IDentification”. Esta tecnologia permite identificar um objecto, seguir o andamento e conhecer as características à distância graças a um rótulo que emite ondas rádios, unidas ou incorporadas no objecto. A tecnologia RFID permite a leitura dos rótulos mesmo sem linha de vista directa e pode atravessar finas camadas de materiais (pintura, neve, etc.).


O rótulo radiofrequência (transpondeur, rótulo RFID), é composto por um chip ligado a uma antena, envolto num suporte (RFID Tag ou RFID Label). É lida por um leitor que capta e transmite a informação.

 

rótulo RFID



Distinguem-se 3 categorias de rótulos RFID :

  • Os rótulos só de leitura, não passíveis de alteração,
  • Os rótulos “escrita uma vez, leitura múltipla”,
  • Os rótulos em “leitura e reescrita”.



Além disso, existem duas grandes famílias de rótulos RFID :

  • Os rótulos activos, ligados a uma fonte de energia integrada (pilha, bateria, etc.). Os rótulos activos possuem um melhor alcance mas a um custo mais elevado e com uma duração de vida restrita,
  • Os rótulos passivos, utilizando a energia propagada a curta distância pelo sinal rádio do emissor. Estes rótulos de menor custo são geralmente mais pequenos e possuem uma duração de vida quase ilimitada. Por outro lado, necessitam uma quantidade de energia não negligenciável por parte do leitor para poder funcionar.

Exemplos de aplicações operacionais :

  • Rastreabilidade das garrafas de gáses (Ar Líquido, AGA),
  • Acompanhamento de encomendas (Wal Mart),
  • Acompanhamento de fardas de trabalho alugadas (Elis),
  • Identificação dos animais: substitui a tatuagem (Ordicam),
  • Gestão dos livros de uma biblioteca,
  • Identificação dos bogies e vagões (SNCF).



As aplicações RFID baseiam-se em diferentes padrões que dependem das funcionalidades exigidas pelos processos ofício e certos constrangimentos locais (exemplo: banda de frequência de transmissão ou potência necessária).

O RFID permite responder a um grande número de necessidades. Desenvolve-se bem em intra empresa e na logística. As principais dificuldades às quais o padrão RFID deve responder estão em vias de ser superadas: custo do rótulo (mais 0,10€ para os mais caros), gestão de anticolisão em caso de leitura de numerosos rótulos simultaneamente, leitura através dos líquidos, adopção ou convergência demasiado lenta de certos padrões, questionamento processos antigos, problemas de segurança e de ética.

O rótulo RFID será o suporte do sistema EPC (Electronic Product Code, ou Código produto electrónico), representando a “rede do rastreabilidade dos objectos”. Prevê nomeadamente a identificação unitária dos objectos (rótulos de codificação sequencial) e está ligado a uma rede de partilha dos dados na Internet. O EPC foi impulsionado pelos grandes actores mundiais da indústria do comércio e de sistemas de informação. Foi desenvolvido pelo MIT (Massachussetes Institute of Technology).


Artigo coescrito por Eric Schuler, de www.arvensys.com, e Jean-François PILLOU.

Veja também


Radio Frequency Identification (RFID)
Radio Frequency Identification (RFID)
Identificación por radiofrecuencia (RFID)
Identificación por radiofrecuencia (RFID)
RFID (Radio Frequency IDentification)
RFID (Radio Frequency IDentification)
RFID (Radio Frequency IDentification)
RFID (Radio Frequency IDentification)
Última modificação: 27 de setembro de 2009 às 12:18 por owliance.pt_004.
Este documento, intitulado 'RFID (Radio Frequency IDentification)', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.