O padrão GPRS

Julho 2015

Introdução ao padrão GPRS

O padrão GPRS (General Packet Radio Service) é uma evolução da norma GSM, o que lhe vale às vezes a denominação GSM++ (ou GMS 2+). Dado que se trata de uma norma de telefonia de segunda geração que permite fazer a transição para a terceira geração (3G), fala-se geralmente de 2.5G para classificar o padrão GPRS.

O GPRS permite aumentar a arquitectura do padrão GSM, para autorizar a transferência de dados por pacotes, com débitos teóricos máximos de aproximadamente 171,2 kbit/s (na prática, até 114 kbit/s). Graças ao modo de transferência por pacotes, as transmissões de dados utilizam a rede apenas quando é necessário. O padrão GPRS permite por conseguinte facturar o utilizador ao volume trocado em vez da duração de conexão, o que significa nomeadamente que pode ficar ligar sem custo adicional.

Assim, o padrão GPRS utiliza a arquitectura da rede GSM para o transporte da voz, e propõe aceder a redes de dados (nomeadamente Internet) que utilizam o protocolo IP ou o protocolo X.25.

O GPRS permite novos usos que não permitia a norma GSM, geralmente classificados nas classes de serviços seguintes:

  • Serviços ponto a ponto (PTP), ou seja, a capacidade de se ligar em modo cliente-servidor a uma máquina de uma rede IP,
  • Serviços ponto a multipontos (PTMP), ou seja, a aptidão de enviar um pacote a um grupo de destinatários (Multicast).
  • Serviços de mensagens curtas (SMS),

Arquitectura da rede GPRS

A integração do GPRS numa arquitectura GSM necessita a adição de novos nós rede chamados GSN (GPRS support nodes) situados numa rede federativa (backbone):

  • o SGSN (erving GPRS Support Node, ou em português "Nó de apoio GPRS de serviço"), switch que permite gerir as coordenadas dos terminais da zona e realizar o interface de trânsito dos pacotes com a ponte estreita GGSN.
  • o GGSN (Gateway GPRS Support Node, ou em português "Nó de apoio GPRS ponte estreita"), ponte estreita que se converte com as outras redes de dados (Internet). O GGSN é encarregado nomeadamente de fornecer um endereço IP aos terminais móveis durante toda a duração da conexão.

Qualidade de serviço

O GPRS integra a noção de Qualidade de Serviço (notada QoS para Quality of Service), ou seja, a capacidade para adaptar o serviço às necessidades de uma aplicação. Os critérios de qualidade de serviço são os seguintes:

  • prioridade
  • fiabilidade (em inglês reliability). O GRPS define 3 classes de fiabilidade.
  • prazo (em inglês delay)
  • débito (em inglês throughput)

o padrão GPRS define 4 esquemas de codificações de canal, chamados CS-1, CS-2, CS-3 e CS-4. Cada esquema define o nível de protecção dos pacotes contra as interferências, para estar em condições de degradar o sinal de acordo com a distância dos terminais móveis com as estações básicas. Quanto maios é a protecção, mais fraco é o débito:

Esquema de codificaçãoDébitoProtecção
CS-19.05 kbit/sNormal (sinalização)
CS-213.4 kbit/sLigeiramente inferior
CS-315.6 kbit/sReduzido
CS-421.4 kbit/sNenhuma correcção de erro
Para uma leitura offline, é possível baixar gratuitamente este artigo no formato PDF:
O-padrao-gprs .pdf

Veja também


The GPRS standard
The GPRS standard
Estándar GPRS (Servicio general de paquetes de radio)
Estándar GPRS (Servicio general de paquetes de radio)
Der GPRS Standard
Der GPRS Standard
Le standard GPRS
Le standard GPRS
Lo standard GPRS
Lo standard GPRS
Este documento, intitulado « O padrão GPRS »a partir de CCM (br.ccm.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.