Resistência à mudança organizacional

Novembro 2017

Os fatores de resistência à mudança organizacional

Para estar em condições de antecipar a mudança, é essencial conhecer os fatores de risco e em especial as causas da resistência à mudança. Além das causas individuais, que são objeto de atenção específica, a resistência à mudança é frequentemente ligada a causas mais globais, estruturais e conjunturais ou coletivas.

Quais são as causas individuais

A mudança implica alteração ambiental do indivíduo que pode provocar ansiedade devido à alteração na rotina (tempo, espaço, emocional, comportamental) e em seu trabalho, na evolução no emprego etc.

Quais são as causas coletivas

Os empregados de uma organização compartilham valores comuns, a cultura de empresa e os direitos sociais adquiridos, que podem ser questionados pela modificação da organização da empresa. A condução da mudança deve considerar estes valores e aplicar um dispositivo de escuta que permita identificar os temores coletivos e, se for o caso, comunicar sobre a estabilidade dos valores adquiridos.

Causas estruturais e conjunturais

As causas estruturais e conjunturais representam o tecido cultural da empresa, ou seja, as condições de trabalho na empresa (horários, rotina etc.) e a organização funcional da empresa (estrutura por escritório, organização piramidal etc.).

Veja também

Última modificação: 10 de outubro de 2017 às 08:26 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Resistência à mudança organizacional ', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.