O algoritmo do Google Panda foi revelado

Dezembro 2016


Google Panda é o nome de código do novo algoritmo do famoso motor de busca americano. Ele já saiu nos EUA e deve chegar na França dentro de poucos dias.

Desde o seu lançamento, muitos sites têm caído nos resultados do Google. No entanto, para não deixar os webmasters privados face a esta importante atualização, o Google revelou pontos importantes sobre o seu algoritmo.

É no blog oficial do Google para webmasters, que o motor aconselha fazer um site de "alta qualidade", oferecendo dicas para entender as implicações de ter tal site ou artigo, em 23 perguntas.
A partir desta lista, aprendemos, basicamente, que os robôs do Google seriam capazes de analisar se o artigo é de boa qualidade ou não, de acordo com sua sintaxe, seu tamanho, sua ortografia, seu conteúdo, suaa análises, sua originalidade, a ação dos visitantes face ao artigo, etc.

Já sabemos que o Google é muito "bom em ortografia", uma vez que ele é capaz de fazer sugestões de correção durante as buscas. Além disso, os especialistas da Google desenvolveram um sistema para saber se uma frase parece gramaticalmente correta, comparando-a com milhares de outras em sites referindo-se na web.

No entanto, vemos que muitas perguntas giram em torno da qualidade de um artigo, visando, essencialmente, blogs e jornais on-line. Quanto aos sites que fornecem ferramentas on-line, por exemplo, há poucas indicações, o que poderia sugerir que o algoritmo para estes recursos não mudou muito.

Veja as perguntas feitas pelo Google para nos ajudar a deduzir o que é um artigo de "alta qualidade" e que seria, então, bem referenciado pelo motor de busca:

1- Você confiaria nas informações apresentadas neste artigo?
O artigo está disponível em um site reconhecido, com uma reputação já bem estabelecida ou, pelo menos, com um design geral e programação bem feitos. Além disso, o assunto também deveria ser tratado em outros sites, o que evitaria dar importância demasiada a um assunto completamente inventado como é frequentemente o caso no dia 1° de abril, por exemplo.

2- O artigo foi escrito por um especialista ou um amador que conhece o assunto?
O artigo deverá ser assinado pelo autor. Se o autor é conhecido e reconhecido em uma área específica, o artigo deveria ter ainda mais peso.

3- O site tem outros parágrafos ou artigos redundantes sobre temas idênticos, com variações ligeiramente diferentes (uso de sinônimos)?
A caça ao "conteúdo duplicado" é um ponto já presente no algoritmo "pré-Panda" do Google. Nem um texto, ou mesmo um parágrafo do seu site deve ser encontrado em vários lugares, mesmo usando sinônimos: o Google não se deixa enganar! O risco é o artigo perder sua credibilidade.

4- Você chegaria a dar informações sobre o seu cartão de crédito neste site? Para confiar em um site ao ponto de deixar informações sibre sua conta bancária, deve tratar-se, mais uma vez, de um site de boa reputação, mas também bem desenvolvido, dando poucas chances para que os ataques de hackers tenham sucesso. Além disso, no artigo anterior do blog para webmasters do Google, você poderia ter lido como ter um site bem protegido face as tentativas de hacking.

5- A ortografia e o estilo do artigo estão corretos, ou inúmeros erros persistem ?
A quinta questão é bem clara: grafia correta e sintaxe exigidas para um artigo dito de qualidade.

6- Os tópicos são escolhidos de acordo com os reais interesses dos leitores do site, ou são orientados a fim de serem bem classificados nos motores de busca?
A atualização do algoritmo do Google vem, certamente, do fato de que nos últimos anos, muitos webmasters tentaram escrever artigos com o único propósito de ser bem referenciado, ao invés de tentar agradar o leitor. Por isso, agora será muito mais difícil de se colocar, escrevendo um artigo malfeito sobre o buzz do momento...

7- O artigo fornece um conteúdo original, reportagens inéditas, pesquisas originais, etc?
Agora, o Google busca destacar artigos originais escritos por especialistas, com conteúdo e estrutura. Podemos imaginar que um artigo com parágrafos e com títulos para esses paragrafos deveria ser apreciado pelos motores de busca caso ele respeitasse as outras condições. Além disso, podemos pensar que o uso de determinadas palavras-chave relacionadas à pesquisa e análise no artigo pode inspirar mais de confiança ao Google.

8- A página fornece um valor significativo em comparação à outras páginas de resultados de pesquisa?
A pergunta do Google, e que devemos perguntar sobre um artigo em nosso site, é se ele realmente traz algo a mais do que o que já existe na net. Mais uma vez, a questão da originalidade e do conteúdo pesquisado prevalece. Se o caso for escrever um artigo para só para fazer concorrência ou fazer um "buzz", as chances são poucas de que ele seja favorecido pelo Google Panda.

9- Em que proporção o controle de qualidade sobre o conteúdo é feito ?
A qualidade da redação deve prevalecer sobre o resto do site (que também é importante). Isto, junto com as outras questões estudadas, deve permitir que muitos pesquisadores, doutores e outros jornalistas, que publicaram seu trabalho on-line, mas sem nenhum conhecimento em desenvolvimento, design e programação, tenham seus conteúdos mais destacdos que antes.

10- O artigo descreve os dois lados de uma história?
Um artigo por ser de "alta qualidade" não deve se contentar em fornecer uma única versão sobre o assunto tratado. Como o caso, por exemplo, dos artigos sobre a China tratados pela AFP, (A agência de imprensa francesa) que, na maior parte do tempo, coloca o país sob a acusação de violação dos direitos humanos ou, paralelamente, artigos de Xinhua (agência oficial de imprensa chinesa), que defende sua escolha. Assim, o resumo do assunto tratado de forma completa, e tão objetivo quanto possível, deveria fazer a diferença nos resultados de busca.

11- O site é uma autoridade reconhecida sobre o assunto? O assunto tratado, para obter mais credibilidade, deverá estar de acordo com a temática do site e, se possível, em um site já conhecido A fim de evitar, entre outras, artigos patrocinados e fora de propósito.

12- O conteúdo é produzido em massa e distribuído para um grande número de criadores para que estas páginas nos sites não recebam tanta atenção ou cuidado?
Assim, os comunicados de imprensa e outros artigos da AFP, AP, Reuters, etc. não deveriam mais ser visíveis nos resultados do Google. Este conteúdo, publicado em massa, é encontrado em milhares de sites e, consequentemente, não é original, objetivo e completo, ... O Google, que transmite em seu próprio site, informações da AFP deveria, certamente, aproveitar a oportunidade para destacar este serviço. Os sites de comunicados de imprensa, que floresceram nos últimos anos, deveriam ser prejudicados e os webmasters, que procuram conteúdos gratuitos, terão que mudar de tática.

13- O artigo foi bem publicado, ou parece desleixado ou feito às pressas?
Algumas perguntas parecem se repetir, provavelmente para marcar a importância atribuída ao tamanho do texto, da estrutura, da sintaxe, da escolha das palavras, da ortografia e do conteúdo.

14- Quanto as pesquisas sobre questões de saúde, você confiaria nas informações deste site?
Mesma pergunta que o item 4. O site deve inspirar confiança ao visitante. o Google também pode analisar pelo design.

15- Você reconheceria este site como uma fonte confiável, caso mencionassem o seu nome?
A reputação do site, sua e-reputação, ocupa um lugar muito importante neste algoritmo, o que pode nos levar a pensar que os sites mais novos terão mais dificuldade em se destacar. Assim como Roma não foi construída em apenas um dia, uma e-reputação leva um certo tempo para ser forjada.

16- O artigo fornece uma descrição completa ou exaustiva sobre o assunto?
Para o Google, um artigo de qualidade deve dissecar completamente a questão. Finalmente, para ser bem referenciado, vai ser preciso, certamente, conseguir fazer artigos enciclopédicos como alguns do Wikipédia, que já monopolizavam inúmeros primeiros lugares e que deverão continuar por muito tempo...

17- O artigo contém uma análise detalhada de informações além do óbvio?
Uma descrição simples e breve de um evento, que não fala das causas e dos efeitos - como aquelas que podem ser lidas no jornal de domingo - dificilmente será encontrada nos resultados do Google, mesmo tendo sido publicada por um site referência.

18- Este é o tipo de página que você deseja marcar, compartilhar com um amigo ou recomendar?
Um bom artigo é para compartilhar. Assim, o Google dará mais importância para um artigo que será (muito) compartilhado em redes sociais como o Facebook e o Twitter. Também sabemos que, em breve, o Google lançará um botão "+1" do mesmo tipo que "Eu curto" do Facebook, para ter um pouco mais de informações sobre o compartilhamento de uma página. Até o momento, o Google já dispõe de muitas ferramentas para analisar o comportamento dos visitantes: o Google Analytics instalado em muitos sites, o navegador Google Chrome, a barra de ferramentas para navegadores, o próprio motor de pesquisa, as estatísticas de anúncios Adsense, etc.

19- O artigo tem uma quantidade excessiva de anúncios e comerciais distraindo ou interferindo no conteúdo principal?
Publicidade demais, mata a publicidade... mas, sobretudo, o artigo. Se houver publicidade demais em um artigo, ele acabará perdendo o seu crédito. E é esta a dificuldade dos editores de websites: se por um lado lhes é exigido artigos de melhor qualidade, implicando mais tempo para a redação e o contrato de bons e verdadeiros jornalistas, por outro, lhes é pedido diminuir o número de anúncios no site, apesar de, muitas vezes, ser a principal fonte de renda dos jornais e revistas on-line.

20- Você gostaria de ver este artigo publicado em uma revista, enciclopédia, folder ou livro?
Um bom artigo é um artigo que poderia ser retomado em livros, jornais, etc. Portanto, isso reúne todos os pontos já vistos. Também podemos imaginar que o Google daria mais importância a um texto já citado em outros artigos da Internet. Se, além disso, você mantiver uma enciclopédia on-line bem escrita , você deveria ocupar boas posições em relação às pesquisas feitas no motor.

21- O artigo é curto, sem substância, ou sem especificações úteis?
Um artigo muito curto é certamente um artigo incompleto. Pode-se imaginar facilmente que, com 1000 caracteres, o artigo vai ter dificuldades para ser bem avaliado pelo Google.

22- As páginas produzidas foram feitas com muita dedicação aos detalhes?
Um bom artigo é um artigo bem apresentado com os parágrafos, títulos, ilustrações, caracteres legíveis, mas também, situado em um ambiente gráfico (design do site) asseado. Isso pode ser facilmente analisado pelos robôs do Google, principalmente graças aos estilos CSS da página.

23- Os usuários queixam-se do seu site ?
A e-reputação do site em si ocupa uma parcela mais importante do que antes. Assim, se muitos sites, fóruns, etc. falam do seu site usando vários termos depreciativos, isso poderia prejudicar o seu SEO. No entanto, imaginamos que isso poderia ser uma brecha para alguns editores para se livrar de um concorrente. Então, esse ponto tem, necessariamente, menos importância do que aqueles que já foram vistos.

Artigo original publicado por David Houstin

Tradução feita por Lucia Maurity y Nouira

Veja também :
Este documento, intitulado « O algoritmo do Google Panda foi revelado »a partir de CCM (br.ccm.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.