O gadget da semana: a Google TV

Dezembro 2016



Sony lança um box que permite conectar qualquer televisão à internet, Mas, o interesse, ele, é muito limitado.

Inicio nos Estados Unidos, continua na França, Google lança a Google TV.

Google TV estava sendo esperada como uma pequena revolução. Mas é a decepção disse presente.

Comercializada a partir desse mês de setembro a 200 euros, este pequeno box preto fabricado por Sony "permite conectar qualquer televisor à internet e assim propor uma experiência online parecida com aquela dos computadores, um tablete ou um smartphone", se vangloria Christophe Lapacz, diretor dos desenvolvimentos na Sony França.

Depois de conectada à internet (por cabo ou Wi-Fi), o box afixa no televisor uma paleta de aplicações representadas por logotipos. O uso se parece com um tablete ou smartphone, a não ser que aqui a tela não é tátil, tornando a navegação por controle remoto pouco prática.

Um controle remoto muito complexo


O controle remoto, precisamente, é o primeiro do padrão do Google TV. Ele tem alguns botões na frente e um teclado que é usado como um mouse portátil, um teclado traseiro AZERTY muito estreito. À primeira vista o uso é igual à um computador tradicional. Mas olhando mais de perto tudo fica mais complicado! A infinidade de botões deixa o controle remoto confuso. Logo surgem as questões, as dúvidas sobre o uso de cada botão, pouco ajudado por pictogramas. A dificuldade do aperto é reforçada por menus pouco claros, com navegação complexa. Este controle remoto fica muito longe da facilidade de Android.

Além disso, o box deve ignorar os canais de televisão convencionais, limitando assim o interesse geral. De fato, no final de 2010, a France Télévisions, a TF1, M6 e Canal + canais TNT assinaram uma convenção conjunta proibindo Google distribuir o seu conteúdo.

Consequência: é necessário um outro equipamento (antena, caixa ADSL) para assistir TV. Mas, que isto não seja um empecilho! Sony França, já promove "a riqueza de aplicações fornecidas pela Play Store que farão esquecer as experiências decepcionantes de outros box de internet atuais", disse Christophe Lapacz. Mas mais uma vez, a qualidade não é a principal característica.....

Principal interesse: o acesso ao Youtube


Na verdade, muito poucas aplicações foram otimizadas para a TV. Pior, alguns aplicativos disponíveis são cheio de bugs e / ou exibido com má qualidade visual. Além disso, por causa dos menus complicados, você não pode encontrar os últimos aplicativos lançados e passa por três menus antes de iniciar outro.

O acesso ao YouTube é a atração principal do Google TV. Podemos, assim grande quantidade de vídeos. Muitos verão o interesse em assistir os famosos "filmes inteiros" ou "filmes completos" da plataforma, mas é claro que a grande maioria dos vídeos não tem a qualidade suficiente para ser apreciado na TV. Devemos também notar que como no PC, quando a internet é lenta, os vídeos são lentos para carregar.

Verdito


Esta Google TV - que Sony gosta de chamar "Google box por Sony" - apresenta um interesse muito limitado. Para conectar sua TV à internet, é melhor optar um um box proposto pelas operadoras de internet ou um console de jogos que oferecerão serviços similares, mas de melhor qualidade. Até mesmo Apple, o concorrente direto, propõe desde há alguns anos já uma Apple TV bem melhor. Pena para Google e Sony, eu pensam em integra este sistema diretamente nos televisores para evitar um custo dobrado.
O a mais:
- YouTube na TV - navegação web
O a menos :
- Os menus complexos - O controle remoto complicado - fraco número de aplicações.

"Google TV" ou "NSZ-GS7" da Sony, cor preta, memória interna 8 Go, sistema Android 3.2 Honeycomb. Navigação web com Google Chrome, aplicações Google Play Store, YouTube... Conexão internet por Ethernet ou Wi-Fi. Conetivo HDMI, USB, Bluetooth.

Tradução feita por Ana Spadari

Veja também :
Este documento, intitulado « O gadget da semana: a Google TV »a partir de CCM (br.ccm.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.