Está na hora de conhecer o Cloud !

Janeiro 2017

Armazenamento on-line de suas músicas, fotos, jogos ou documentos: as ofertas do "Cloud" se multiplicam. Esta dica traça para você as questões do Cloud, através de seis propostas distintas.

1. O que quer dizer Cloud ?


O "Cloud Computing" (computação nas nuvens) tornou-se um chavão, que você não tem como escapar. Se o conceito não te parece revolucionário, é normal, ele existe há muito tempo. O termo "Cloud" ("nuvem" em Inglês) é um termo de marketing, um pouco obscuro para alguns, mas que pode ser explicado de maneira bem simples. Ele significa a deslocalização de seus dados em servidores remotos, o evitando o armazenamento dos mesmos em uma estação local.

O interessante é poder acessar seus dados a partir de qualquer computador conectado à Internet e sincronizá-los em vários dispositivos. As vantagens são diversas: economia de espaço, recursos, tempo e dinheiro. O usuário pode acessar livremente seus documentos sem se preocupar com o dispositivo que está usando.

Exemplos de uso


Para mostrar o interesse da coisa, imagine o seguinte caso: você está no escritório, escreverndo as primeiras páginas de um relatório a partir de um software de processamento de texto qualquer, presente em seu computador. Basta deportar o seu trabalho para o Cloud e conectá-lo a partir do seu computador pessoal, para continuar o seu relatório tranquilamente, sem ter que instalar o software. Este exemplo também serve para as montagens de vídeo ou gravação de jogos. Pra completar, você pode acessá-lo a qualquer momento, mesmo em outro computador, basta efetuar login no alojador dos seus dados.

Os usuários com mais conhecimentos vão assinalar a existência de um bom número de sistemas que funcionam neste princípio, como o Deezer e Spotify para a música, ou o Gmail, o famoso e-mail do Google. Antes disso, podemos citar o projeto SETI@home. Lançado em 1999, é um projeto de cálculo compartilhado, que envolve um grande número de computadores conectados à Internet. Desde então, o "Cloud" evoluiu muito e oferece uma infinidade de serviços.

O que mais ?


De uns tempos pra cá, o fenômeno ganhou uma tal amplitude, que vários grandes nomes do setor de TI entraram na dança propondo suas ofertas "Cloud", como o Google, o Amazon e, recentemente, a Apple e a Microsoft. O mercado está em crise e muitas empresas, por razões econômicas, já deram o passo (fim da necessidade de recursos sofisticados de hardware, caros e volumosos).

Entretanto, o grande público ainda não confia plenamente no Cloud. A escolha é vasta e as ofertas muitas vezes divididas em vários pacotes (individual, negócios, educação, associações, etc). Esta pasta tem como objetivo apresentar claramente as principais ofertas existentes, expondo as vantagens para o usuário, lembrando dos riscos associados a estas novas ferramentas.

Dependendo do seu interesse, você pode encontrar ofertas mais ou menos especializados, como o Google Music, OnLive para o lazer, o Google Apps para criar seus documentos, o Microsoft Office 365 para o trabalho, ou o iCloud, que propõe uma ampla gama de funções. Vamos tratar aqui apenas das ofertas mais atraentes, através de seis propostas variadas, dependendo do seu uso.

2. Cloud para todos

  • iCloud para os amadores da Apple

Revelado durante a WWDC 2011, o iCloud está se tornando a nova plataforma de serviços on-line da Apple, depois de dois anos difíceis do MobileMe, a plataforma de sincronização paga destinada principalmente para os produtos da Apple (iPhone, iPad, iPod, iTouch, Mac e PC). Como seu antecessor, o iCloud sincroniza seus dados (documentos, fotos, aplicativos, livros), mas também e-mails, calendário e suas configurações, que são armazenadas em Datacenters. Todos os dispositivos conectados no Cloud são então sincronizados, automaticamente, sempre que você alterar qualquer um dos seus documentos. O serviço é limitado a 10 dispositivos, o que deixa uma certa margem. O serviço é gratuito, mas limita-se a 5GB de espaço de armazenamento. Em breve, essa capacidade poderá ser aumentada, mas paga. Para beneficiar deste serviço, vamos ter que esperar o lançamento do iOS 5, previsto para o final do ano, e do Mac OS X Lion, em julho, já que o iCloud está atualmente em beta para os desenvolvedores.

Paralelamente, a Apple anunciou o seu "one more thing", o iTunes Match, que varre sua biblioteca do iTunes e codificar automaticamente suas músicas, em AAC 256Kb. Sua música estará disponível na "Cloud" em todos os seus dispositivos conectados, e isso, por uma assinatura de 25€, por ano. Também disponível este ano, este serviço será uma alternativa para o Spotify, para os fãs do iTunes.

Para mais informações: icloud/
  • Administre a sua música com o Google Music e o Amazon Cloud Drive

Dois gigantes da web para duas propostas distintas, do mesmo tipo que o iTunes Match. O Google, como sempre, deixa um pouco de liberdade para o usuário, que pode salvar qualquer arquivo de música. O serviço age como um grande disco rígido on-line, te permitindo armazenar até 20.000 músicas nos formatos MP3, AAC, WMA, FLAC e OGG, o que é uma vantagem para ele. Um catálogo on-line, o resto sendo tirado da biblioteca do usuário. Há também um programa chamado Google Music Manager, que verifica as músicas do seu computador e se oferece para importá-las para o serviço de nuvem do Google. Por enquanto, você só pode usar o Google Music no Smartphone/tablet rodando no Android.

No entanto, foi encontrado um defeito: o upload é bem demorado. Mesmo com um bom fluxo, você precisará de várias para importar algumas centenas de músicas.

A boa notícia, porém, é que o serviço é gratuito, apesar dos planos do Google para o futuro do serviço ainda serem vagos.

Para mais informações : http://music.google.com/about/


O Amazon também lançou sua oferta on-line em março, o "Amazon Cloud Drive", que oferece 5GB de espaço gratuito para armazenar suas músicas nos formatos AAC ou MP3 apenas, ou compradas na loja de downloads do site. Você pode ouvir em streaming as músicas armazenadas pelo Amazon Cloud Player com largura de banda ilimitada. O serviço é compatível com oito dispositivos diferentes e requer a abertura de uma conta no Amazon. Você pode aumentar seu espaço de armazenamento através de vários pacotes: 20 GB por US$ 20 e US$ 1, por GB, até 1000 GB.

Disponível no Android e, recentemente, no iOS, o serviço só é utilizado nos Estados Unidos. Se o sucesso é garantido, não há dúvida de que a Amazon e o Google desenvolverão seus serviços para chegar até nós. Aliás, o Amazon liquidou o último álbum da cantora Lady Gaga, causando uma perda de 2, 6 milhões de dólares, beneficiando mais de 500 mil novos usuários.

Para mais informações : https://www.amazon.com/clouddrive/learnmore
  • OnLive : videogame sob demanda

Já explorado pela Steam, o Cloud para jogos de vídeo viram um novo ator entrar em jogo em Junho de 2010: OnLive. Se ambas as plataformas são muito semelhantes, a OnLive tem algumas características que deverão atrair muitos jogadores. A grande vantagem aqui é que você não precisa ter uma máquina de guerra para poder jogar os videogames mais recentes, cuja potência necessária é gerenciada por servidores remotos da OnLive. Para começar, o cadastramento ao serviço é gratuito, mas assinatura mensal deverá custar US$ 9,99, além do preço dos jogos escolhidos, em diferentes pacotes: 3 dias, 5 dias (entre 4 e 9 US$) ou ilimitado, por 29,90 dólares. A OnLive é compatível com Windows, Mac OS, TV (através de um adaptador vendido por US$ 30), iPad e tablets rodando no Android.

Por este preço, você pode jogar os 30 minutos "de demonstração" de cada jogo, salvar seus backups, ver os trailers dos próximos jogos e acessar os serviços da comunidade OnLive. Todos os jogos estão no formato 720p, por isso, tome cuidado para ter uma boa conexão, se você quiser jogar sem lentidões. O serviço já está disponível na Europa, depois de uma longa espera, mas com os servidores localizados nos Estados Unidos, o que requer uma banda larga, até a chegada dos servidores. Esperemos que este será o caso até o final do ano, a chegada do OnLive no Reino Unido já está sendo esperada para breve.

Para mais informações : http://www.onlive.com/#1

3. Sério, vamos trabalhar


E para isso, a Microsoft e o Google propuseram cada um o seu projeto do Cloud.
  • Microsoft Office 365, a solução pró-híbrida

Disponível desde ontem em versão final, o Office 365, sucessor de serviços on-line da Microsoft BPOS (Business Productivity Online Suite) é o resultado da reformulação da suíte, com foco na facilidade de uso, proporcionando o "melhor" em termos produtividade, de acordo com a Microsoft. O Office 365 é um um Office nas nuvens. Destinado principalmente para pequenas e médias empresas, o Office 365 propõe os seguintes serviços: e-mail de 25 GB, a suíte burótica Office do Web Apps (Word, Excel, PowerPoint, OneNote), um calendário, ferramentas de colaboração, mensagens instantâneas e um serviço de comunicações unificadas (Lync Online), tudo sincronizável entre PC, celulares e tablets (todos os sistemas), "rápido e fácil".



Ao contrário do Google e sua oferta 100% Cloud, a Microsoft propõe uma escolha para facilitar o trabalho off-line. Uma solução híbrida apreciada por um grande número de PME. Existem várias tarifas de acordo com o "menu" desejado, de 5,25 € até 25,50 €, por mês. Paralelamente, a Microsoft insiste sobre a disponibilidade quase contínua do Cloud durante o ano inteiro (99,9%), assim como o aumento da segurança e monitoramento, em resposta à pane de 3 horas do seu serviço BPOS, que ocorreu no dia 22 de junho de 2013. Um evento que trouxe de volta a desconfiança em relação ao Cloud.

Para mais informações : http://www.microsoft.com/pt-BR/office365/online-software.aspx
  • Google Apps, a cabeça nas nuvens

Principal concorrente do Office 365, o Google Apps representa o Cloud do Google, ou seja, é um serviço 100% voltado para a web. Nele encontramos quase as mesmas funções que a suíte da Microsoft, ou seja, um serviço de mensagens, um calendário e ferramentas buróticas, serviços evidentemente específicos do Google, que já mostraram a sua eficácia (Gmail, Calendar, Talk, Docs são algumas das funções disponíveis). A oferta gratuita acabou, o Google Apps tornou-se pago desde dezembro de 2012, dando acesso a 25 GB de armazenamento de e-mails, um sistema de segurança reforçado, assistência contínua e um número ilimitado de contas, por organização.

Completamente focado na web, o Google Apps precisa de uma conexão à Internet com largura de banda suficiente para trabalhar confortavelmente. Quanto ao preço da versão comercial, gira em torno de 4 €, por conta de usuário e por mês, ou 40 € por usuário, por ano.



Apesar de cada um ter sua própria ideia, podemos ver que o Google tem algumas vantagens em relação ao Cloud da Microsoft, principalmente uma melhor compatibilidade com os diferentes sistemas e navegadores, atualizações automáticas de programas e preços mais interessantes. O grupo também tem mais experiência na área de serviços da web. Por hora, o benefício da dúvida, ainda pertence à Microsoft, que conta com uma ampla rede de parceiros para desenvolver o seu produto.

Para mais informações : http://www.google.com/intx/pt-BR/enterprise/apps/business/pricing.html

4. Devemos prever uma tempestade ?


Como qualquer sistema, o Cloud tem seus pontos fracos, o que poderão bloquear certas pessoas. Quem diz Cloud diz web, com tudo o que a rede implica em termos de complicações e riscos. Para ter pleno acesso aos seus aplicativos, você deverá ter uma conexão de Internet robusta e estável. Se o seu equipamento é antigo ou se você está em uma área de baixa cobertura, você terá dificuldade para usar o Cloud corretamente.

Obviamente, a segurança tem que ser levada em consideração. Várias falhas, ou até hacking, abalaram o setor. A empresa responsável pelo serviço deve proteger seus dados para evitar qualquer intrusão por pessoas mal-intencionadas. Da mesma forma, não sabemos exatamente onde nossos dados ficam armazenados, nem se eles foram espalhados em vários D atacenters muito distantes uns dos outros.

Para concluir, cuidado com as diversas ofertas e condições de uso que mudam muito rapidamente. Certifique-se de que o seu alojador Cloud garante um acompanhamento eficaz dos seus dados e que você não precisa ter mais custos de reestruturação do serviço. Prefira a estabilidade. Verifique também a compatibilidade de seus aparelhos com os serviços propostos, para não se ficar bloqueado face a uma tecnologia proprietária.

5. Rumo à exteriorização total ?


O Cloud está crescendo rapidamente de um ou dois anos pra cá. As ofertas se multiplicam e novos atores estão entrando em jogo, sendo que a maioria dos gigantes do setor de TI teem seu próprio serviço de nuvem, e o número de usuários não para de crescer. Apesar de suas limitações, Cloud continua a ser um conceito muito interessante para aqueles que utilizam diversos dispositivos e querem sincronizar seus dados neles. Um grande trunfo para as empresas.

Com a crescente popularidade dessas ofertas, pouco a pouco vamos rumo exteriorização total de nossos dados. A questão é saber até que ponto esta tendência vai aumentar, tendo em conta os riscos e, isso, apesar da existência de ofertas altamente seguras (pagas). Hoje, é podemos usar o Cloud para música, fotos e vídeos, jogos e documentos do Office. Então, por que não optar por uma solução do tipo Chromebook, quando o computador se torna uma interface através da qual podemos acessar todos os nossos dados?

Tradução feita por Lucia Maurity y Nouira

Artigo original

Veja também

Publicado por pintuda. Última modificação: 24 de junho de 2013 às 15:20 por pintuda.
Este documento, intitulado 'Está na hora de conhecer o Cloud !', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.