Linux - Como iniciar no Linux

Novembro 2016


O que é o Linux

Para utilizar seu PC, basta ligá-lo. Windows carrega e podemos fazer aquilo que gostamos: escutar música, navegar na net, trabalhar...etc. No funcionamento global de um PC, Windows é chamado sistema operacional. O sistema operacional permite como o nome indica de explorar os recursos do PC (processador, memória, placa gráfica, leitor DVD, gravador, etc.) Sem sistema operacional, é como se tivéssemos um carro sem motor : não se pode fazer grande coisa! Linux é um sistema operacional disponível para os computadores.


Linux designa somente o núcleo sem interface gráfica, sem interface usuário ou outros softwares. Para obter um sistema operacional (designados por GNU/Linux), é preciso acrescentar uma série de softwares e utilitários. Note-se que a interface gráfica sob Linux é um software como qualquer outro. Assim, existe diversas interfaces gráficas, as duas mais populares são GNOME e KDE. Além do mais, considerando que Linux (=o núcleo) tem licença livre (código fonte disponível e livremente modificável ) e igualmente gratuito, é possível de criar seu próprio sistema operacional Linux. O resultado disto é que existe um grande número de sistemas operacionais GNU/Linux: denominadas distribuições. Todavia, todas as distribuições não são todas gratuitas. O Inspire e Red Hat são dois exemplos de distribuições pagas. A Mandriva disponibiliza duas versões: uma paga e uma gratuita. As distribuições mais populares são Ubuntu, Mandriva, Suse, Fedora, Debian.

O que é Linux
Introdução à Linux
Compreender o Linux
Tutoriais Linux


Algumas capturas de tela para ver como se passa:
capturas de tela Linux
shots.osdir.com/
http://br-Linux.org/brazil/

Pode-se também ir ao site OSVids que fornece vídeos (a maioria das vezes flash) apresentam diversos sistemas operacionais como o Linux, assim se pode ter uma ideia mais justa do Linux : www.osvids.com/linclips/linclips.html

Se você veio do Windows

Atenção: Se você veio do Windows (leitura recomendada)

Os Live- CDs

Para aqueles que querem testar Linux sem tocar na configuração de seu PC, é possível passar por um LIVE-CD.

Um Live-CD Linux tem a particularidade de poder lançar um sistema Linux sem instalação no disco rígido. Tudo se carrega em memória o que implica aliás que um Live-CD sera sempre mais lento que um sistema instalado. Assim que o Live-CD for retirado, reinicia-se o seu PC e encontra-se a configuração inicial de seu PC sem nenhuma modificação. Com um Live-CD, a gente dispões de um sistema completo e explorável : a maioria dos softwares (multimídia, burótica, internet,...etc) são disponíveis. É possível acessar a (s) partição (ões) (s) do disco (s) rígido (s) por exemplo para recuperar os documentos se acontecer um bloqueio incurável do Windows: Knoppix. Pode-se igualmente utilizar seu velho PC sem disco rígido para fazer um servidor de arquivo por exemplo.

Quais distribuições escolher

Existe na net diversos textos de distribuições: O que é um Live CD. Entre os mais reputados, tem:

Knoppix: Knoppix
Kaella (basée sur knoppix): Kaella
Mandriva One: Mandriva One
Ubuntu : Ubuntu

Para mais detalhes ver: Escolher uma distribuição Linux e Linux

Utilização

Para utilizar um Live CD, é preciso: baixar o arquivo ISO correspondente ao LIVE-CD desejado. Nunca é demais salientar! Privilegie sempre os espelhos oficiais para as imagens de distribuições GNU/Linux !!! Certos baixam as distribuições com eMule (ou um equivalente) para obter em seguida um arquivo RAR ou ZIP. Depois, eles não conseguem mais serem instalados ou testados pois, geralmente, a gravação é corrompida, (não bootável)! Ora uma imagem de distribuição GNU/Linux é sempre de formato ISO pois é o formato oficial e normalizado. O arquivo ISO está pronto para gravar sem necessidade de outras manipulações. Inútil de utilizar softwares de compressão / descompressão (como Winzip, Winrar, Izarc ...) ou softwares permitindo modificar o conteúdo de imagens. Aliás, estas manipulações não conforme servirão somente para destruir o lançamento do CD (ou DVD) e assim de desperdiçar uma gravação (sem contar a perda de tempo)!

Em resumo, é fazer simples quando se pode fazer simples!

No entanto, você pode baixar o protocolo BitTorrent (considerado como P2P). Os links de download através do BitTorrent (extensão *.torrent) são frequentemente fornecidos pelos espelhos oficiais de downloads GNU/Linux. O download será mais rápido que os protocolos HTTP ou FTP mantendo-se sempre fiável. Por outro lado; evitar as surpresas baixando imagens ISO de DVD. Um DVD faz geralmente mais de 4 Go ora cada sistema de arquivo possui seus próprios limites de tamanho de arquivos. Eis aqui as dimensões dos arquivos para os principais sistemas atualmente estáveis:

FAT 32 : arquivo limitados à 4 GiB (GibiBit seja 2^30 bits)
NTFS : 16 EiB (ExbiBit seja 2^60 bits)
Ext2 et Ext3 : 16 GiB à 2 TiB (TebiBit seja 2^40 bits)
ReiserFS : 8 TiB com a versão 3.6 et 4 GiB com a versão 3.5. Então é claro que você registrará as imagens ISO de DVD de mais de 4 Go no NTFS (quando estamos no windows particularmente) ou no l'Ext2/3 ou no ReiserFS versão 3.6.
Baixar o arquivo ISO: para tanto, é preciso escolher a opção « gravar uma imagem » de seu software e não 'cd de dados » ou outros. Não descompactar ou modificar este arquivo *.iso. Basta gravar a imagem ISO via a opção "gravar imagem". Se você não tem um software de gravação, eis aqui a lista de softwares de gravação gratuitos: softwares de gravação gratuitos. É recomendado verificar a integralidade dos CDs gravados mesmo se a gravação parece sem problemas: verifique o sucesso da gravação, Verificar o sucesso dos downloads. Note que certas distribuições como a Fedora propõem, no momento da instalação, a verificação dos DCs gravados. Evidentemente, somente continuaremos Linux se a integral idade dos CDs/DVDs foi verificada. Para mais detalhes: Gravar uma imagem ISO

Configurar a sequência de boot
É preciso ir no BIOS (pressionar as teclas F12, DEL, Suprimir, ou outras teclas dependendo do bios) para configurar a sequência do boot de tal maneira que o leitor CD/DVD seja colocado em primeira posição. Mudar a sequência do boot, Alterar a ordem dos periféricos de arranque, Formatar _xp/bios

Resta colocar o Live-CD no leitor CD/DVD e a reiniciar o PC.
Aí, o Live-cd vai lançar-se e auto configurar-se (para certos Live-cds, será solicitado de criar uma conta login+senha que são provisórios, o tempo de utilização de seu Live-cd).
O sistema GNU/Linux é possível de ser acessado.

Nota: certos Live-cd podem ser instalados no disco rígido, como é o caso de Knoppix ou Kaella por exemplo. Mas certos problemas podem ocorrer. Melhor é para os usuários que desejam instalar Linux em seu PC de escolher uma distribuição instalável e não um Live-CD.

INSTALAR LINUX

É bom saber que é possível instalar Linux ao lado de Windows. E no início de seu pc você pode escolher qual dos dois sistemas você quer lançar. Recomenda-se, aliás a todos, de instalar lado alado Linux e Windows a fim de poder reencontrar um ambiente em caso de problema ou de dúvidas.


Recomendação: é melhor instalar Windows e depois Linux.
Porque? Linux, como Windows, instala um bootloader. Este programa permite lançar o ou os sistemas operacionais presentes no PC. O problema com o bootloader do Windows é que ele não reconhece nativamente os sistemas operacionais a não ser o windows, contrariamente à Linux. Ora, como na instalação, o bootloader esmaga o existente, é melhor instalar o Linux em segundo. Lugar.

Particionar seu disco rígido

Para poder instalar seu Linux, é preciso reservar um lugar. Para tanto, é preciso particionar seu disco rígido. Leia particionamento do disco rígido

Nota: a maioria das distribuições grande público permitem, na instalação, de fazer partições em seu disco rígido. Um particionamento automático é proposto na maioria dos casos.

É preciso criar no mínimo: uma partição raiz - /: 7-10 gigas são suficientes, e uma partição swap: a regra exige que o seu tamanho seja o dobro da dimensão da memória sobre o PC. Então se temos 256Mo de ram, a swap fará 2x256Mo=512Mo. No entanto, uma swap de mais den 1Go é supérflua para aqueles que possuem mais de 512Mo de memória, uma memória de 1Go é suficiente. É possível criar uma partição "/home" que corresponde um pouco à uma pasta "Meus Documentos". Isto permite separar o sistema & programas de um lado e seus documentos do outro.

Multiboot Windows/Linux

Como viu-se acima, a instalação começa com a instalação Windows depois o sistema Linux. No caso doWindows não está ainda instalado, basta particionar o disco como convém, antes da instalação do Windows, depois encadear com Linux. Quando Windows já está instalado e/ou o disco rígido está cheio, isto é preciso (NTFS, FAT32, FAT16). É claro, é preciso ter "feito a limpeza completa" do disco rígido antes de começar o redimensionamento, seja copiando seus dados em um disco externo (caso n° 2, ver esquema aqui em baixo), seja sobre uma outra partição, o que é possível de ser feito, se restam ainda algumas Gigas no disco rígido em questão (caso n° 1, ver esquema), a gente vai se virar com os dados nas partições. Não é necessário formatar inteiramente o disco para recomeçar a instalação de Windows , nem de suprimir todos os dados pessoais, <underline>é necessário somente liberar suficientemente o espaço para criar as partições Linux. Pode-se redimensionar as partições do disco rígido com um Live CD GParted: GParted-LiveCD.

Atenção: é necessário fazer partições de trocas em FAT32, é o único sistema de arquivo em que os dois sistemas são capazes de ler/escrever sem falhas, colocar sobre esta partição todos os dados suscetíveis de nos servir em qualquer sistema operacional utilizado.

Esquema:
[/faq/images/3360-gYuTg8W0xYKxVvah.png [[Image: /faq/images/3360-gYuTg8W0xYKxVvahs.pngpx

Assim que a instalação de Windows é feita (se necessário e o particionamento terminado, lança-se a instalação de Linux, na maior parte dos casos, o particionamento automático reconhecerá Windows para obter o melhor modo de particionamento possível, controlar bem o espaço livre previsto para o Linux, o programa de instalação se encarregará de fazer a partição e formatar o espaço livre em uma partição sistema e uma Home (Dados/home).

Atenção: Se necessário escolher o particionamento manual, não esquecer a SWAP, a memória virtual de Linux. (criar-se-á simplesmente uma partição 1.5 vezes maior que a memória viva).

Quais distribuições escolher ?

Eis aqui um pequeno teste (em inglês):
Teste, qual distribuição escolher?em inglês. É um artigo mais detalhado: Escolher uma distribuição. Na maior parte dos casos, Mandriva, Suse, ou ainda Ubuntu serão aconselhadas aos usuários:

Mandriva: Mandriva
Suse: Comunidade SuSE,
Ubuntu: comunidade Ubuntu

Instalação

A instalação da maior parte das distribuições, em particular para aquelas destinadas aos usuários especializados, é tão simples quanto a do Windows.


Tutoriais:

Mandriva: Mandriva Dica, Mandriva Brasil, Mandriva Mandriva Wikipedia, Mandriva instalação
Suse: Comunidade Suse br, Suse Wikipedia
Ubuntu: Ubuntu Dica, Wikipédia Ubuntu

Diferença instalação Windows

A principal diferença concerne a nomeação dos leitores e discos rígidos (partições).
Os leitores e discos rígidos (partições no Windows são designados com uma letra C:\, D:\, E:\ ...etc. No Linux, é diferente. Cada leitor ou disco rígido é designado:

Para os discos ide por hdLC,para os discos sata por sdLC;
Para os leitores ide hdL para os leitores sata sd L;
L é uma letra designando a posição do disco ou leitor : o primeiro disco ou leitor (master) será designado com a letra a, o segundo com a letra b ...etc;
C é um número designando a posição da partição sobre o disco: a primeira partição será designada pelo número 1, a segunda pelo número 2, etc.

A maioria das distribuições permitindo, durante a instalação, de escolhe os softwares à instalar. Dispõe-se então no final da instalação de sua distribuição de todos os softwares necessários à utilização cotidiana de seu PC.

CONSELHOS E NOTAS

Facilidade de integrar?

Instalar e utilizar cotidianamente um sistema GNU/Linux não é tão difícil como alguns pensam. Basta saber agir corretamente, como toda qualquer outra tarefa. Com as versões destinadas ao grande público como as Mandriva, Suse ou Ubuntu, Linux é acessível a todos. Mas, qualquer que seja o sistema operacional, é necessário de consagrar um tempo de familiarização com o novo sistema (o que se verifica com todas as coisas: com Windows foi preciso também um tempo de apreensão). Com efeito, com Linux, começa-se do zero, tem-se que aprender a utilizar seu computador, pois praticamente tudo é diferente : organização dos arquivos, a denominação dos periféricos, a instalação de softwares...etc. Se você pensa ser operacional desde o primeiro lançamento do Linux, ou se você não consagrar muito tempo para compreender Linux, certamente sua utilização pode ser extremamente difícil. Não passe ao Linux se você não tiver tempo para se consagrar à sua compreensão!

Posso utilizar todos os meus softwares destinados ao Windows no GNU/Linux?

A resposta é não. ...enfim não exatamente. Com efeito cada software é concebido para um só sistema operacional (e para uma certa arquitetura). Assim um software concebido para Windows não poderá ser executado sob Linux, e vice versa, idem para MacOS. No entanto, certos softwares são disponíveis para diversos sistemas operacionais como por exemplo Mozilla Firefox, que apresentam uma versão para Linux, Windows e MacOS (entre outros). Mesmo que os softwares de Windows não sejam utilizáveis sob Linux, dispõe-se de um grande número de softwares equivalentes que permitem efetuar as mesmas tarefas:[compatibilidade compatibilidade Linux

Nota: para aqueles que desejam, apesar de tudo, utilizar seus softwares Windows no Linux, existe o projeto Wine: winehq multilíngues. Este projeto tem por objetivo permitir o lançamento de programas Windows no Linux. Trata-se de um emulador como Vmware ou então Qemu. O objetivo de reescrever todos os arquivos sistemas, os famosos *.dll de tal maneira que os chamados programas Windows tornem-se interpretáveis por Linux. Entretanto, este objeto está ainda em fase de desenvolvimento e não é raro que se tenha dificuldades para utilizá-lo. Note igualmente os projetos pagos derivados de Wine que são:

Cedega, especializado para os jogos.
Wiki Cedega
http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Instalando-o-Cedega-5/
Para os jogos, pode-se igualmente utilizar os loki-installers, muito simples de utilização: www.liflg.org/

E, também, que certos loki-installers se baseiam no Wine/Cedega e outros que permitem fazer jogos nativamente. Pessoalmente, eu pude instalar e jogar sem problemas com Call Of Duty (via Wine) e com NeverWinter Nights (raro jogo comercial nativo em Linux).

Crossover especializado para a burótica (Ms Office, Photoshop, Internet Explorer ...etc)
CodecWeavers
Codecweavers e Artigos em inglês

Configurar seu administrador de pacotes

Diferente do Windows, com o Linux é possível instalar softwares a partir dos "depósitos" ftp. Com efeito, a maior parte das distribuições dispõe de um gerenciador de softwares: fala-se de pacotes. Este gerenciador se conecta aos servidores FTP que contém centenas de pacotes. A configuração por padrão de um gerenciador dirige-se para depósitos oficiais da distribuição concernente que reagrupam os pacotes de atualização sistema (navegadores Internet, leitura de vídeos, áudio, burótica...). Ora, nem todos os depósitos contém softwares disponível para Linux. Para tanto, é necessário configurar sua distribuição. O melhor distribuição é de se informar no site da comunidades de língua portuguêsa da distribuição:

Mandriva, o gerenciador é urpmi e é configurável a partir do site easyurpmi
Suse o gerenciador é Yast : Yast
Ubuntu, O gerenciador é apt (sua interface gráfica é synaptic) : Ubuntu

Depois disto, é possível instalar quase todos os softwares disponível em Linux a partir se seu gerenciador. Leia enfim, o tutorial detalhado da instalação detalhado dos softwares sob GNU/Linux: Gestão de pacotes.

Recpomenda-se: preferir sempre instalar um software via o gerenciador de pacotes, e isto, a fim de garantir a coerência de seu sistema principalmente no momento d atualização para uma versão superior de sua distribuição.

Meu material compatível com GNU/Linux ?

Este é certamente o maior defeito de Linux. Com efeito, Windows sendo o sistema operacional mais difundido, os construtores de material informático fornecem geralmente unicamente drivers para Windows.Antes de lançar-se em uma instalação Linux é bom verificar a compatibilidade de seu material. Antes da compra, melhor ainda. Para tanto: pode-se testar com um Live-CD : por exemplo, testar-se-á o Live-CD de Ubuntu antes de pensar de instalar definitivamente, para as impressoras, pode-se verificar este site: LinuxPrinting, paro o Wifi, veja ndiswrapper NdisWrapper. Mas para tanto, é preciso conhecer o modelo de sua carta wifi ou seu PCI ID. Pode-se igualmente verificar no site da distribuição como, por exemplo, para Mandriva, Ubuntu ou para Suse. Para os Laptops: Laptop. Pode-se igualmente consultar os seguintes sites: LinuxHardware e Linux-Drivers. Na maior parte dos casos, os problemas concernem essencialmente os periféricos wifi que certos escâners e outros periféricos dito "exótico". Felizmente, a situação vai evoluindo. Assim para os periféricos wifi, dos drivers ditos "genéricos" deveriam ser disponibilizados em breve configuração sem fio Linux. Além do mais, os drivers de cartas gráficas (ATI e Nvidia fornecem drivers para Linux mas aqueles de ATI são ainda de qualidade medíocre) cuja a instalação, até aqui, se fazia via linha de comando, são agora disponíveis nos depósitos dos distribuidores: pode-se então passar por seu gerenciador de pacotes para os instalar.

Veja também :
Este documento, intitulado « Linux - Como iniciar no Linux »a partir de CCM (br.ccm.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.