Mito:o número de corações multiplica a freqüência do processador

Janeiro 2017

Mito : o número de corações multiplica a freqüência do microprocessador.

Problema


Eu tenho um microprocessador a duplo coração com 2.3 ghz, o processador que tem 2 corações duplica seu ghz, ou seja ele fica com a freqüência total de 4.6 ghz?

Realidade:



FALSO

Explicações


O número de corações e a freqüência de um microprocessador são independentes.
Assim, um microprocessador duplo coração tem uma freqüência total de 2.3 ghz.
2 fatores essenciais determinam a potência de um processador:

-O número de corações.
-A freqüência ( ghz ).

Um processador é capaz de executar diversas tarefas simultaneamente. Por exemplo, você pode navegar pela Web e escutar música no computador. No entanto, para conseguir este efeito de "multi tarefas", o coração de um microprocessador alterna a execução de seus processos lhe dando a cada um, à sua vez, pequenos tempos de execução na ordem de milissegundos. Ele o faz tão rápido que você tem a impressão que ele executa tudo, realmente, ao mesmo tempo.

Quanto mais um processador tem uma freqüência elevada, mais ele é rápido. Mas, quanto mais você tem tarefas a executar simultaneamente, menos o coração de seu microprocessador vai levar para executar cada uma de suas tarefas alternativamente.

Todavia, com vários corações de microprocessadores, pode-se executar realmente diversas coisas ao mesmo tempo. Seu navegador Web pode ser executar no primeiro coração, e seu leitor multimídia no segundo coração.

E se você tem 4 tarefas, duas podem ser executadas no primeiro coração e as duas outras pode ser alternadas no segundo coração.

Assim um duplo coração que tem uma freqüência mais baixa que um só coração será é evidentemente mais eficaz.

É por resta razão o número de corações tem muito seguidamente vantagens em relação a freqüência.

Exemplo:

Um duplo coração de 2.6 ghz é mais potente que um microprocessador de 1 coração de 3.0 ghz.


Nota: a memória cache influência também um pouco a potência do microprocessador :

Ela permite diminuir o tempo de acesso (em leitura ou en escrita) de um coração de microprocessador aos seus dados.

Pode ser diferenciado:

- cache de primeiro nível (L1)
- cache de segundo nível (L2)
- cache de terceiro nível (L3)

Quanto mais o nível é baixo, mais o tempo de acesso é rápido, mas menor será o tamanho do cache.

O microprocessador tenta sempre de acessar em primeiro o cache L1 para encontrar um dado. Se ele não encontra ele tentará o cache L, e o cache L3, e como último recurso ele procura na memória RAM.

Deste modo, quanto mais estes caches são grandes, mais seu processador terá boa performance pois ele fera menos acessos à memória RAM que é bem mais lenta que os caches.

Todos os microprocessadores não são equipados de cache L3. Aqueles que beneficiam dele são, geralmente, mais potentes.



Veja também

Artigo original publicado por . Tradução feita por ninha25. Última modificação: 28 de março de 2010 às 03:34 por ninha25.
Este documento, intitulado 'Mito:o número de corações multiplica a freqüência do processador', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.