Programação: como começar e com que linguagem

Outubro 2017

Uma das questões mais frequentes nos fóruns dedicados aos iniciantes em linguagens de programação é sobre como começar a programar ou com que linguagem começar. Aqui, vamos tentar responder a estas duas perguntas, apesar desse tipo de pergunta suscitar discussões. Para mais objetividade, essa dica foi baseada nas respostas dos membros publicadas do fórum CCM.


Dicas iniciais

Para começar a programar, é bom estar preparado para enfrentar um problema espinhoso: por que meu programa não funciona? As mensagens de erro fornecidas pelos ambiente de compilação e execução levam os iniciantes, muitas vezes, a uma complexidade sem saída. Um bom método é mostrar o código para alguém com experiência ou explicar o problema para alguém. Às vezes, a leitura em voz alta permite a compreensão. Enfim, a capacidade para programar anda de mãos dadas com o pode de abstração do mundo material no qual estamos imersos. Tenha sempre ao seu lado uma folha de papel e um lápis e, quando pensar em alguma solução, escreva e teste. Esta é a arma de qualquer programador de informática.

Com que linguagem começar

Não há linguagem de programação para começar. A programação começa em uma folha, com algoritmos. Para experimentar os algoritmos, pode ser útil uma linguagem de programação, mas a única coisa que recomendamos é um idioma simples, sem objetos e gráficos. As boas escolhas são as linguagens Basic, Pascal e Python. No entanto, a sintaxe delas pode ser mais útil no futuro. É bom ter uma ideia dos diferentes tipos de linguagens, saber o que é um compilador e outras generalidades. Leia o artigo sobre as linguagens informáticas.

Com uma delas já nos armamos com uma boa base para começar a programar. Mas não se programa somente por programar, devemos ter um objetivo, uma ideia, um software a fazer. Nisso não podemos ajudar, tudo dependerá de seus gostos e conhecimentos, Logo depois de ter escolhido a linguagem, devemos fazer as primeiras escolhas técnicas, ou seja, linguagem orientada a objetos? Multiplataforma? Com a máquina virtual? Acessar um banco de dados? Se sim, qual deles?

Assim que estas escolhas estiverem definidas, o leque de linguagens vai se restringir. Assim, veremos as linguagens mais citadas para começar a programação, tendo sempre em mente o aprendizado. Saiba que existe uma via mais lúdica para descobrir a programação: o KPL, que significa Kid's Programming Language.

A interface é bem feita (cores, sons e grafismos) e oferece aprendizado da programação orientada para jogos. A ideia é aprender se divertindo. Se, realmente, você não conhece nada de informática e programação, ela pode ser uma porta de entrada. Esse software é um freeware e não se restringe aos jogos. O site é multi-idiomas (inglês, espanhol, português, francês) como o software . A linguagem integra o básico das outras linguagens: Begin, End, Main, False, True etc.

Aqueles que podem ser usados

Delphi/Pascal

Esta é uma boa solução. É possível encontrar compiladores e ambiente de desenvolvimento gratuitos (sob condições pouco restritivas). Você pode começar fazendo pequenos programas nos shell em linguagem Pascal e, em seguida, passar (depois de ter entendido a noção de objeto) para linguagens mais complexas graças à Delphi (e Kylix no Linux). A linguagem é relativamente intuitiva, rigorosa, a criação gráfica é simples e você vai começar a curtir programar. A portabilidade é medíocre, mas existe para certas plataformas que aceitam.

Saiba mais aqui, aqui e aqui (em inglês).

Java

A linguagem Java é muito usada para celulares e sua sintaxe é utilizada para scripts da Internet (a sintaxe, não a linguagem). Existem muitos ambientes de desenvolvimento gratuito, basta escolher um em função de suas necessidades. No entanto, não tem a facilidade do Delphi para interfaces gráficas. Esta é uma linguagem de nova geração que também pode ser interessante para quem quer trabalhar em ciência de computação.

Para saber mais, clique aqui e aqui.

Python

A linguagem Python é simples e rápida, oferece bons hábitos de programação, é leve (a tal ponto que passar para outra linguagem depois vai parecer difícil), aberta, com muitos documentos na Web e é a preferida dos iniciantes. Ela permite rápida satisfação fazendo scripts fortes (graças, principalmente, à programação orientada a objetos). Ela também pertence à nova geração de dispositivos móveis e funciona com uma máquina virtual que pode ser compactada com algumas classes disponíveis na Web (existem de todos os tipos e para todos os fins) em um arquivo EXE para distribuir o aplicativo de maneira simples e independente.

Para mais informações, veja o site oficial da Python (em inglês) e leia este artigo.

Net

A plataforma Net é boa e ruim, mas permite programar aplicações gráficas de forma simples. Ela funciona apenas no Windows, com algumas tentativas adaptadas ao Linux. A linguagem a C# é a linguagem nativa desta plataforma: sua sintaxe é próxima da C e da Java e tudo acontece em um nível de abstração superior às antigas linguagens da Microsoft. É comparável à Java e Python, mas ela não é gratuita.

Um ambiente de desenvolvimento gratuito e OpenSource para NET: OpenSource/SD e Macoratti.

Smalltalk

Excelente linguagem orientada a objetos. O software é gratuito, com sintaxe simples, que requer rigor inegável na programação de objetos. Infelizmente, é muito raro encontrar trabalhos com ela, mas de qualquer maneira é sempre uma referência sólida.

Se quiser aprender mais, vá no site oficial Squeak (em inglês) e leia este tutorial.

Outras linguagens

C e C++

São boas linguagens, mas com sintaxe complicada que não facilita a aprendizagem. Além disso, a utilização dos ponteiros torna seu uso, mesmo para profissionais, bastante trabalhoso. A vantagem é que essas linguagens podem ser utilizadas em várias plataformas (depois de compiladas) e, depois de aprendidas, fazem as outras parecerem muito mais simples. Além disso, são as mais utilizadas no mundo profissional.

Para complementar seus conhecimentos, leia estas apostilas.

PHP

Linguagem inicialmente destinada ao desenvolvimento de páginas dinâmicas. Sua sintaxe é próxima da C++. A PHP é simples e permite comunicar facilmente com o banco de dados. Para desenvolver páginas dinâmicas, é preciso bom conhecimento do código HTML e, eventualmente, SQL, se você precisar de um banco de dados. A PHP permite que você visualize seu trabalho, colocando-o online e, em seguida, recebendo comentários dos usuários. Ela também permite que você desenvolva aplicativos fora da Web. Saiba que você também pode programar em procedimentos orientados a objetos.

Em resumo, ela é uma boa linguagem, mas não a melhor para começar o aprendizado. Ela é eficaz e você corre o risco de ficar mal acostumado, particularmente no que diz respeito aos sites. Se você estiver buscando uma linguagem fácil, que permita aprender uma linguagem orientada a objetos, escolha uma linguagem como a Python.

Para saber mais, leia essa e essa dica e vá no site oficial da PHP. Se quiser, você pode baixar o EasyPHP.

Ada

A Ada é uma linguagem ainda utilizada no mundo da programação. Ela continua a ser relativamente fácil de aprender, mas é especialmente recomendada para quem trabalha com informática.

Lisp/Caml

As linguagens funcionais são, em geral, classificadas em duas categorias principais: puras (haskell) e impuras (família lisp). A família pura é dividida em duas classes: a família verdadeiramente pura, sem efeito de borda (haskell) e a família ML (Caml, SML). O modo de programação é completamente diferente de outras linguagens.

Na verdade, a programação funcional é outra maneira de ver um programa não impedindo, por exemplo, de ter uma linguagem funcional e objeto (Scala, por exemplo) ou mesmo uma linguagem que alia imperativo/objeto/funcional (Ocaml). Conhecendo uma delas, você terá boas bases. Elas são muito utilizadas em análise numérica e inteligência artificial. Ela pode ser utilizada para programar tudo o que pode ser programado com outras linguagens.

Para mais informações, leia sobre Caml (em inglês) e Ocaml.

Linguagens de programação que você não pode usar

HTML/CSS

Escrever uma página ou um site em HTML não é programar. Essa linguagem serve para apresentar um documento e não programar. Colocar alguns scripts no meio não vai mudar o fato de que isso não é programação. Para mais informações, leia Introdução em HTML essa dica.

Perl

Essa linguagem, aparentemente simples, não é adaptada ao aprendizado. Sua flexibilidade e seu poder poderão dar maus hábitos de programação pelos erros que ela autoriza e induz. O melhor é começar por uma linguagem rigorosa para depois explorar ao máximo a Perl.

Visual Basic/Basic

Visual Basic é formalmente desaconselhada por todos os profissionais que trabalharam com ela. Permite adquirir maus hábitos de programação e mesmo a Microsoft a abandonou em favor do Framework.Net. Além disso, não existe versão gratuita. O único ponto positivo é seu lado lúdico e a facilidade para fazer interfaces gráficas para Windows. Se este for o seu interesse, utilize a Delphi ou a Net.

O caso da Basic é mais ou menos o mesmo. Existem compiladores gratuitos, mas trata-se de uma linguagem ultrapassada e lenta, não é portátil e sem rigor. Prefira a Pascal que permite a evolução para a Delphi.

Observação: existem vários sites em inglês. Isso é comum no mundo da programação e aprender a programar será feito em melhores termos se você conhecer o idioma. Você também encontrará muitos compiladores gratuitos para as diferentes linguagens neste endereço.

Foto: @ Pixabay.

Veja também

Artigo original publicado por Carlos-vialfa. Tradução feita por ninha25. Última modificação: 11 de outubro de 2017 às 08:28 por pintuda.
Este documento, intitulado 'Programação: como começar e com que linguagem', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.