Overclocking das placas-mãe com chipset de P35 e derivados

Fevereiro 2017


Esta dica explica os passos para fazer o overclocking do seu Core 2 Duo, no caso específico de uma placa-mãe equipada com um chipset Nothbridge P35, como a Asus P5K e derivados, ou os Gigabyte P35 (C), DSR3 e EP35-DS3P, por que o seu potencial é incrível: o FSB é de 333 MHz, e pode chegar a 500 MHz, sendo o limite de cerca de 545 Mhz (dependendo do PC, é óbvio).

Aqueles que têm uma placa-mãe com chipset P45 poderão usar esta dica, sendo ele muito próximo do P35 no overclocking (FSB, no máximo 333 MHz de base, relação FSB: RAM 1:1, no mínimo).

A fineza da gravação do P45 com 65nm (em vez do tradicional 90nm utilizado em outros chipsets Intel) lhe permite ir mais além, em freqüência, atingindo cerca de 570 MHz do FSB!
Para os chipsets X38 e X48, esta dica também pode ser útil, levando em conta as especificidades do seu BIOS:
Por exemplo, as placas-mãe Asus com esses dois chipsets têm uma configuração adicional chamada "FSB Strap to Northbridge". Esta configuração também é exibida com a versão mais recente do BIOS da Asus P5KC.

Esta configuração é explicada mais adiante, no parágrafo "limite do FSB" da parte "overclocking avançado".

No caso do chipset X48, as placas-mãe podem ter um menu do BIOS ligeiramente diferente, por exemplo, em uma Asus P5E Deluxe, o submenu " JumperFree Configuration " do menu "Advanced" não existe, ele foi substituído pelo menu "Al tweaker", onde podemos encontrar a definição do FSB e da RAM.

Trata-se de um complemento desta dica, mais geral, do Flo88, que aconselho a leitura.
Também recomendo a leitura desses manuais:
Overclock
Overclocking Masters
Intel Core 2 Duo, Core 2 Extreme, Core 2 Quad

Resumo


Atenção: O overclocking de um PC pode diminuir sua durabilidade, mas quando sabemos que uma configuração se torna obsoleta em 5 anos...
De qualquer maneira, a garantia não funcionará mais, por que a Intel pode saber se um CPU foi "overclockado" ou não.
O CPU é protegido contra o superaquecimento, mas os componentes individuais da placa-mãe não, principalmente o Northbridge e os condensadores.
Para aqueles que efetuarão o overclocking permanentemente, é melhor comprar uma placa-mãe com heatpipes no northbridge e condensadores sólidos ou polímeros, mais resistentes ao calor.
  • Kioskea e o autor desta dica não podem, de forma alguma, ser responsabilizados por quaisquer danos causados ao seu computador.

Observação : se você tem um PC fabricante de (HP, Dell, Sony, Acer, Fujitsu-Siemens ,...), o BIOS da placa-mãe é, certamente, bloqueado e impedirá qualquer mudança na tensão e nas freqüências.
Neste caso, será preciso utilizar um software Windows, como o ClockGen ou SetFSB. A utilização desse software é descrita no manual SetFSB Overclocking Guide, Tips, Benchmarks & Observations ou neste.
Outra solução é usar a técnica do Tape Mod ou BSEL Mod descritas na seguinte página Tape Mod e nesta dica do Flo88, especialmente para o Q6600.
Para quem lê inglês, há um artigo bastante abrangente aqui, que possibilita até o ajuste do vCore.
Cuidado com o que você faz, o Tappe Mod fita exige muito cuidado e precisão!

Só falo aqui do overclocking do BIOS.

Eu vou dividir esta dica em duas partes, uma para obter um overclocking simples, ou básico, acessível a todos e, uma segunda parte, para tirar mais do seu CPU.
As explicações dadas aqui se referem aos Core2Duo E6550 e E6850, montados em uma Asus P5KC, e associados à DDR2 800 MHz CL4.

Também dou explicações sobre um Q6600, associado à DDR2 1066 MHz CL5.

Este método pode ser adaptado aos Penryn Wolfdale (E7X00 e E8X00), ajustando certos valores, como o Vcore.

Lembrança do princípio


O overclocking tentar fazer o CPU funcionar com uma freqüência superior àquela para a qual ele foi vendido;

Em uma plataforma Intel, isso equivale a aumentar o FSB, porque este barramento determina a freqüência do CPU; na verdade, a freqüência do CPU é obtida da seguinte forma:

Freqüência CPU = Freqüência FSB x coeficiente CPU

Ora, o coeficiente CPU pode ser reduzido, mas, em geral, não pode ser aumentado (com exceção de alguns CPUs, de alta qualidade, da Intel e as Black Edition da AMD)

Infelizmente, o aumento, negligente, do FSB age sobre outros componentes, como a memória RAM ou as placas de expansão, pois muitos elementos são calculados a partir do FSB.

Assim, é preciso determinar a freqüência de alguns elementos, e aumentar, gradualmente, uma única variável, para saber de onde vem o crash do PC, casa ele aconteça.

Este método, chamado de "passo a passo, é um pouco entediante. Existem diversas maneiras de simplificá-lo.

A primeira solução consiste em usar os valores "padrão" do FSB, método detalhado no parágrafo "overclocking básico".

Existem outras soluções, utilizando os resultados conhecidos de configuração, por exemplo, nos manuais de overclocking: isto será detalhado no parágrafo "overclocking avançado".

Overclocking básico


Note-se que os FSB nominais dos diversos CPUs Intel Socket 775 atuais são divididos conforme os chamados "padrões": 200 MHz, 266 MHz, 333 MHz e 400 MHz (FSB aparentes de 800, 1066, 1333 e 1600 MHz).

Naturalmente, os valores intermediários são possíveis, mas no contexto deste parágrafo do overclocking básico, eu sugiro que você aumente, diretamente, o FSB para um valor padrão:

- 333 MHz para 400 MHz para os E6550 e E6850 para (FSB nominal de 333 MHz)

- de 266 MHz para 333 MHz para o Q6600 (FSB nominal de 266 MHz).

Isto é possível graças ao potencial do overclocking dos Cores 2 (Duo e Quad).

Isso corresponde a 25% de aumento para o Q6600, e 20% para o E6X50.

A grande vantagem deste método é que só fazemos o overclocking do microprocessador, a RAM permanece em seu valor nominal (basta escolher o seu valor nas opções), e não fazemos o overclocking do chipset. Comparado com o método do « passo a passo», este é muito mais rápido;)

Método


Para isso, vá no BIOS, no arranque do PC, e pressione a tecla DEL (dependendo do PC, ler o manual)

Quando estiver no BIOS, de uma Asus P5K, vá na guia "Avançado" (Advanced), e selecione "jumper free configuration", como mostrado na página 6 do guia do overclocking Masters

Para um Gigabyte P35, consulte a página 5 do mesmo manual; não se esqueça de pressionar Ctrl + F1 para acessar o menu avançado

Selecionar "manual" para a opção AI Overclocking

Depois, ajustar, manualmente, algumas configurações:
  • Freqüência FSB: fixá-la diretamente para 400 (MHz) para um CPU com FSB nominal de 333 MHz, como os E6X50, ou para 333 para um CPU com FSB nominal de 266 MHz, como o Q6600
  • Freqüência PCI E: ela deve ser fixada em 100 (MHz)
  • Freqüência DRAM: devemos escolher o valor correspondente à sua RAM (por exemplo, 800 para o DDR2 PC 6400 em 800 MHz)


O CPU Voltage (Vcore) pode permanecer em "automático" neste overclocking básico, mas eu aconselho fixá-lo, para evitar valores maiores do que o necessário, aquecendo o CPU, desnecessariamente.

Por isso, recomendo definir, manualmente, no BIOS Vcore= 1.4V para os E6x50, e 1.3V para os E8x00.

Para o Q6600, existem dois modelos: o SLACR e SL9UM (está escrito em sua caixa):

O SLACR, que é o melhor para o overclocking, deve ter o seu Vcore ajustado em 1.30V,

O SL9UM deve ter o seu Vcore ajustado em 1.35V.

Nota: Estes valores são valores ideais para os meus CPU, na minha placa-mãe, estes valores podem variar, ligeiramente, no seu hardware: é você que deve encontrar as melhores configurações para o seu PC.

As outras configurações podem permanecer em "automático", principalmente, os timings.

Para mais informações sobre as configurações do BIOS, consulte os manuais de overclocking listados no começo da dica.

Agora você pode sair do BIOS, salvando as alterações, ele reinicia e, funciona...

Conclusão da primeira parte


Pronto, você ganhou 20% a 25% no FSB e na freqüência do CPU, com facilidade, sem qualquer custo...

É melhor verificar a estabilidade do seu PC com softwares especializados, começando, por exemplo, com os benchmarks do SiSoft Sandra Lite, benchmarks aritméticas e multimídia, que permitem ver os ganhos realizados e, se for o caso, tente o OCCT Perestroika ou PC2004 orthos ou CPU stress Multithread
Naturalmente, é preciso verificar as freqüências obtidas, com o CPU-Z
Por razões de segurança, recomendo acompanhar as temperaturas dos diferentes componentes, com o CPUID Hardware Monitor ou Core Temp, por exemplo.

Em princípio, o cooler da Intel é apropriado para este overclocking básico, mas, eu sugiro substituí-lo por um cooler menos sofisticado, como o Xigmateck Apache ou o Cooler Master TX3: além de mais barato, este cooler, com 92 milímetros, pode dissipar até 185 W, sem fazer muito barulho.
A temperatura do Northbridge nem sempre é dada pelos softwares de diagnóstico:
Para aqueles que não conseguirem essa informação, eles podem controlá-la, aproximadamente, colocando o dedo sobre o radiador do Northbridge: se você puder manter o seu dedo sobre ele, a temperatura deve estar, mais ou menos, abaixo de 50°C.

Se o Northbridge esquentar, você pode adicionar uma pequena ventoinha de 4 cm, ou colocar um ventilador lateral, caso seja possível em sua caixa, como indicado na parte "Advanced".

Como a RAM permanece com o seu valor nominal, você não precisa fazer nada; se você optou por uma RAM de boa qualidade em DDR2 800 MHz ou 1066 MHz, algumas têm até um radiador incorporado.

Resultados


Com o meu E6550 (FSB 333 MHz, Freq 2.33 GHz) e o meu Asus P5KC, eu consigo FSB 400 MHz e uma freqüência de CPU de 2,8 GHz, sem problemas.

Com o E6850 (FSB 333 MHz, Freq 3,0 GHz) e a P5KC, eu consigo FSB 400 MHz e uma freqüência de CPU = 3.6 Ghz

Se você deixar o Vcore em "automático" com o E6550, a voltagem fica em 1.4V, não há aumento significativo da temperatura, o meu E6550 não excede 40°C com o cooler Intel original inativo, e não passa de 55°C, sob estresse, no Sandra.

Para garantir, eu ajusto o Vcore para 1.40 V, manualmente, para evitar aquecimento desnecessário.

Com o E6850, eu ajusto o Vcore = 1.4V (1.36V medido pelo CPU-z), que não ultrapassa 45°C em repouso, e 60°C no estresse com a Intel Radbox, ventilador na velocidade máxima (Q-Fan deficiente).

Com o Q6600 SLACR, eu ajusto o Vcore = 1.30V (1.25V medido pelo CPU-Z), e com o meu cooler Xigmatek Apache modo PWM, obtenho temperaturas variando de 39 a 44°C para os 4 Cores em repouso Sandra, e não superior a 60°C em estresse, nos benchmarks Sandra.

Overclocking avançado


Este item se dirige àqueles que já realizaram a primeira parte e querem ir mais longe.
O princípio é simples:
Deve-ser buscar, separadamente, o limite desses três elementos: o FSB, a memória RAM, o CPU , para poder identificar a causa de uma avaria.

É preciso, imperativamente, esfriar, de maneira eficaz, os vários componentes: o Northbridge, RAM e o CPU, assim como a placa-mãe, principalmente, se aumentarmos as voltagens: V Northbridge, V RAM e V Vcore.

Atenção Os CPU atuais, geralmente, são bem protegidos contra o superaquecimento (eles param em caso de ultrapassagem de calor), mas o Northbridge e outros componentes da placa-mãe não têm essa proteção!

Além disso, uma tensão excessiva no processador ("Vcore" ou "CPU Voltage") no chipset ("NB Core Voltage" ou "Northbridge Control Voltage") ou na RAM ("VRAM") pode ser fatal!

Não deixe o Vcore em "automático" , ele poderá ascender a valores excessivos

Assim sendo, é preciso verificar as temperaturas, as freqüências e o Vcore, continuamente, durante o processo de overclocking, com, por exemplo, o CPUID Hardware Monitor e CPU-z, e adicionar os ventiladores, caso seja necessário ...

Não se esqueça que o maior perigo para o seu hardware, durante o overclocking, não vem de uma freqüência excessiva, mas de um excesso de energia, gerador de muito calor, que pode ser, altamente, destrutivo.

Busca do limite do FSB


Nota: Esta etapa só se aplica aos microprocessadores do FSB nominal com 333 MHz (1.333 MHz aparentes).

Com os microprocessadores com FSB nominal de 200 ou 266 MHz, não interessa saber se o chipset vai além de 400 MHz, já que não temos certeza se o CPU também vai.

Para encontrar o limite do FSB da sua placa-mãe, é possível fazer o overclocking com a DDR2 800 MHz; basta ajustar a sua freqüência, bem abaixo do seu limite, como por exemplo, 533 MHz.
Mas, em algumas placas-mãe, um valor tão baixo não existe: é melhor ter a DDR2 1066 MHz!

Na verdade, a DDR2 800 MHz atinge 880-900 MHz com 2.0V, e pouco mais de 1.000 MHz a 2,4V CASO 5 (resultados de testes da revista PC Montagem Janeiro-Fevereiro 2008, sobre 4 kits de DDR2 800 e 5 kits de DDR2 1066)
A DDR2 1066 funciona muito bem com 1066 MHz em 2.0V CASO 5, sendo assim, mais fácil de encontrar o limite do FSB, com esta memória.
Como na primeira parte, vamos ao BIOS:
Para um Asus P5K, vá na guia "Avançado" (Advanced), e selecione "jumper free configuration", como indicado na página 6 do manual de overclocking Masters.

Para um Gigabyte P35, consulte a página 5 do manual, ativando o menu Advanced BIOS, pressionando as teclas Ctrl + F1.
Selecionar "manual" para a opção AI Overclocking, como na primeira parte.

E ajustar, manualmente, determinadas configurações:
  • Freqüência FSB: entrar diretamente 400 (MHz) e, após testes de estabilidade, reinicie e aumente de 20 MHz, depois, de 10 MHz, a partir de 450 MHz, e assim por diante, até que não arranque mais: teremos, então, a seguinte mensagem "Overclocking failed!"
  • Freqüência PCI E: deve ser fixada em 100 (MHz)
  • Freqüência DRAM: selecionar a configuração DDR2 533 para a DDR2 800 MHz, ou DDR2 667 para a DDR2 1066 MHz (evitar panes por causa da RAM)
  • CPU Ratio: deve ser fixado em 6 (evitar panes por causa do CPU)
  • CPU Voltage: deve ser fixado, por enquanto, em 1.4V para um E6x50, e 1.3V para um E 8x00.


Desta forma, todas as panes do PC só poderão ser atribuídas ao FSB (principalmente ao chipset), porque, com um FSK de 500 MHz, a DDR2 1066 (inicialmente fixada em 667 MHz) não ultrapassa 1000 MHz, e o CPU será de 6 x 500 = 3 GHz, o que deve agüentar, sem problemas, que você tenha um E 6550, 6850 ou 8400.

Todos os recursos opcionais devem ser desativados para evitar instabilidades associadas à redução da tensão/freqüência, pelos sistemas de economia de energia:
Spread Spectrum, Vanderpool, EIST, CPU função TM... como é explicado no parágrafo, da página 6 do manual de overclocking Masters.

O controle de energia EIST, pode, às vezes, ser deixado em serviço para reduzir o consumo do CPU, em uso diário mas, é melhor desativá-lo, para validar o seu desempenho no CPU-Z.

No caso de placas-mãe com chipset X38 e X48, assim como a última versão do BIOS dos Asus P5K, mais um ajuste do BIOS aparece:

FSB Strap to Northbridge.

Este coeficiente permite que o chipset crie o FSB a partir de um relógio interno. Quanto mais o "strap" selecionado for fraco, mais o relógio interno deverá ser alto, o que melhora a latência. Mas você não pode descer demais: o ideal é ficar um pouco abaixo do "strap" nominal.

Para mais explicações, leia este artigo (possibilidade de tradução), ou este, entre as telas do BIOS.

Pode ser necessário refrigerar melhor o Northbridge, já que é ele que gera o FSB, e, portanto, tende a aquecer quando se sobe em freqüência, por exemplo, adicionando um pequeno ventilador no seu radiador:



Mantenha o cooler original do chipset, geralmente muito bem desenvolvido, adicione apenas o ventilador.
Em relação à temperatura máxima de funcionamento dos Chipsets, Intel indica 103°C para o P35 e P45, e 92°C para os X38 e X48.
Por razões de segurança, recomenda-se manter o chipset abaixo de 60°C.

Quanto mais a placa-mãe possui um sistema de refrigeração desenvolvido, melhor a estabilidade do chipset.
Depois de encontrado o limite do FSB, podemos passar à etapa seguinte: o limite da RAM.

Busca do limite da RAM


Você pode seguir o método descrito pelo Overclocking Masters, mas vai ganhar mais tempo com as informações da revista PC Assembly:

Nós já sabemos que o limite das DDR2 800 MHz é de cerca de 880 MHz com 2.0V, e de 1000 MHz com 2,4 V, mas que, com essa tensão, as barras esquentam muito, provocando avarias aleatórias e uma durabilidade reduzida.

Você pode usar uma rampa de ventiladores para esfriar a RAM, como nesta foto:



Se temos uma DDR2 1066, e ela atingiu cerca de 1100 MHz com 2.0V e, com esta voltagem, as barras esquentam pouco.

O overclocking da RAM é menos espetacular do que o do FSB, pois ganha-se, na melhor das hipóteses, 20%, em vez de 50%, como no FSB.

Busca do limite do CPU


Para encontrar o limite do CPU, recomeçamos de um FSB nominal com um coeficiente CPU nominal (7 para um E 6550, 8 para um E 6750 e 9 para um 6850 e um Q6600)

Definimos a RAM em 667 e aumentamos o FSB até a instabilidade.
Exceto, talvez, para o E6550, que tem um coeficiente baixo, o limite do CPU deve ser atingido antes da do FSB.

Quando o limite do CPU for atingido, podemos tentar ir mais além, aumentando a voltagem do CPU por etapas de 0.01V e recomeçamos, até que fique instável ou não reinicialize mais.

Na reinicialização do PC, a mensagem "Overclocking failed!" também vai aparecer.

Atenção: Uma voltagem muito forte do CPU (Vcore) pode ser destrutiva!

Para evitar a redução da vida útil do seu microprocessador, eu aconselho não exceder o máximo do Vcore indicado no formulário CPU World

Por exemplo, para o Q6600 SLACR, CPU World indica Vcore= 1.1V para 1.37V: não exceder em 1.37V medindo no BIOS (ou com o CPU-z); deve corresponder a, mais ou menos, 1.4 - 1.45V para o ajuste do Vcore do BIOS, conforme a placa-mãe (por causa do V Drop, ver as explicações abaixo)

Por razões de segurança, eu recomendo não ultrapassar os valores das tensões descritas na ficha do CPU World do seu processador.

O caso do Q6600


Com o Q6600, para esta parte do overclocking avançado, eu substituí o cooler Xigmatech Apache por um OCZ Vendetta, bem mais eficaz.

Depois, eu comecei a aumentar o FSB, em primeiro lugar, para 355 MHz (DRAM Freq = 1068), e FSB = 375 (DRAM Freq = 1000), me inspirando nas definições do Overclex, página 7.

Ou o FSB Termination Voltage e o Northbridge Voltage ficam em « automático », ou ficam fixados no valor mais baixo:
Como até o FSB = 400, não há overclocking do chipset, não há necessidade de aumentar estes valores, por enquanto.
No meu Asus P5KC, FSB Termination Voltage = 1.20V e Northbridge Voltage = 1.25V.

Com o FSB = 355, o CPU só é estável a partir do Vcore ajustado para 1.375V no BIOS, mas quando eu vou na guia "Power" do BIOS, linha Hardware Monitor, eu vejo Vcore = 1.296V!

Trata-se de um problema relacionado aos pisos de alimentação do CPU da placa-mãe, chamado V Drop:
A voltagem Vcore aplicada é menor do que a selecionada nas configurações do BIOS, e cai mais ainda, quando o CPU está em funcionamento...

Considerações sobre o VDrop


O V Drop limita a possibilidade do overclocking da placa-mãe, porque se temos um V Drop significativo, o Vcore será, significativamente, maior com o CPU em repouso do que com o CPU em carga, e isto é prejudicial para a saúde do processador...
Por exemplo, com a minha placa-mãe Asus P5KC, eu ajustei o FSB = 375 DRAM Freq = 1000 MHz
O Vcore está definido para 1.462V no BIOS para que fique estável, mas o valor medido na categoria Hardware Monitor do BIOS é de 1.368V:

Já temos um V Drop significativo o em repouso (cerca de 0.1 V), e ele aumenta ainda mais em uso: durante o desenvolvimento dos benchmarks Sandra, o Vcore caiu para a 1.30V no CPU-Z.

Logo, é difícil ir mais acima, o V Drop obrigando a colocar um Vcore muito alto, durante o repouso, para que fique estável em uso:


Não é o cooler OCZ Vendetta que não se dissipa, suficientemente, o calor, nem o CPU que não segura, suficientemente, o Vcore, mas é o V Drop da minha placa-mãe, que limita o meu overclocking...

Escolha do cooler


Temos de substituir o cooler da Intel por um mais eficiente, se quisermos ir além de 3,6 GHz com um E6850, Scythe Mugen 2, OCZ Vendetta 2 ou Noctua U12P, por exemplo, com risco de obter erros em softwares de teste, como o OCCT ou, pior ainda, obter alertas de segurança térmica do CPU.
Para o Q6600, não devemos esquecer, que há quatro corações (cores) a serem esfriados: Se um cooler barato, como o Xigmateck Apache, pode ser conveniente para um 3 GHz, só um cooler de marca poderá atingir os 3,6 GHz.

Veja como escolher o seu Cooler neste site ou neste.


OBSERVAÇÃO: Os coolers que ventilam em direção da placa-mãe também esfriam o Northbridge, os MOSFET do piso da alimentação VRM e a RAM; associados a um ventilador da caixa lateral, eles fornecem uma boa refrigeração do conjunto. Mesmo se eles dão resultados ligeiramente piores no resfriamento do CPU em si, esses são os que eu recomendo, porque é inútil ter um CPU bem refrigerado, se o chipset ou o VRM superaquecem e param!

Temperaturas obtidas


E6550:
O Vcore, manual, é de 1.45 V, o aumento da temperatura é aceitável, o meu E6550 com 3.2 GHz não excede 40°C em repouso (inativo), e 55°C, em estresse, com o cooler Intel original (base de cobre e as hélices de alumínio), mas eu já substituí o teclado térmico original pelo Arctic Silver 5 e o ventilador é um modelo Intel 0.6A (outros são em 0.2A ou 0.4A)


Q 6600:
Troquei o cooler Intel por algo melhor, o Xigmatek Apache: é barato, e já ganha vários graus em relação à Intel Radbox:

Com 3.2 GHz, os 4 cores permanecem com 44/50°C, em repouso, e 67/71°C, em carga nos benchmarks Sandra.

Depois, então, mudei para o OCZ Vendetta, as temperaturas caíram ainda mais:

Inativo, os cores não excedem 42/47°C e, em estresse, eles ficam entre 58/62°C com 3.2 GHz, e 65/70°C com 3.4 GHz.

Influência do Sistema Operacional


Note-se que benchmarks Sandra dão resultados, ligeiramente, melhores com o Windows 7 RC do que com o Windows XP:

Na verdade, parece que com o Seven, finalmente, temos um Sistema Operacional capaz de tratar, adequadamente, os CPU multi-cores: uma discussão que começou em um core permanecerá lá até o fim, em vez de passar, aleatoriamente, de um core para o outro, como no XP ou no Vista.

Conclusão da segunda parte


O ajuste final será uma otimização entre estes três limites do FSB, da RAM e do CPU.

Para ir mais rápido, podemos nos basear na tabela abaixo, a partir do manual do Overclex:



Isso economiza tempo, porque ele dá uma ideia do que podemos obter da sua plataforma, sem fazer tentativas entediantes de ajustes.

Vemos que podemos obter freqüências FSB de 500 MHz com o P35, uma freqüência CPU de 3.8 GHz para o E 6750 e de 4 GHz para o E 6850!

O Q6600 parece ser limitado a 3.4 GHz nestes ensaios, e eu não pude fazer melhor, por causa da minha placa-mãe, mas acho que podemos alcançar 3.6 GHz com uma placa-mãe boa.
Chamo a sua atenção para os riscos deste vídeo overclocking do seu Q6600
Os autores atingiram 3.8 GHz e 4 GHz com um Vcore de 1.55 e 1.60 V !

É preciso verificar as freqüências obtidas com o CPU-Z e validá-las!

No meu caso, com o E6550 e a Asus P5KC, eu obtive:

Com o FSB de 450 MHz, dá 900 MHz com 2.2V nos barras Corsair: elas esquentam moderadamente (você pode manter a mão em seu radiador, sem problema)

Com o FSB em 460 MHz,a memória RAM roda com 920 MHz, que é o seu limite, em 2.2 V.

Com o FSB em 470 MHz, a memória RAM roda com 940 MHz, mas há erros.

O PC torna-se instável se eu aumentar a tensão VRAM acima de 2.2V; como você pode ver, é a minha memória RAM que limita

Eu tenho, então, de maneira estável: FSB 460 MHz, RAM 920 MHz (RAM ratio:FSB 1:1) e Frequência de CPU a 3.22 GHz :
site CPU-Z

Pessoalmente, eu não preciso modificar o V Northbridge (NB Core Voltage), que permanece em "automático", mesmo quando o FSB ultrapassa os 400 MHz.

Com o meu Q6600, eu obtive FSB = 375 MHz, Freqüência RAM = 1028 MHz, Freqüência de CPU 3.4 GHz, com um Vcore de 1.368V, em repouso (medido).

Conclusão geral


É interessante saber até onde o seu CPU pode ir, exceto se for um jogo. Na maior parte do tempo, é inútil levar o seu CPU ao limite.

Um overclocking moderado, de 20 a 25% já é muito bom para muitas aplicações, sem perigo quanto à durabilidade do processador.

No caso do E6550, eu reduzi para FSB = 450 MHz, Freqüência de memória RAM = 900 MHz e Freqüência CPU = 3.15GHz:

Isso é melhor que um E6850, que é mais barato, mas, provavelmente, com vida mais curta.

No caso do E6850, um overclocking de 20% bastaria, ou seja, FSB = 400 MHz e Freqüência de CPU = 3.6 GHz, o que não é ruim, pois já tem mais potência do que o E8600, com sua freqüência nominal (3.33 GHz)

Com o meu Q6600, também basta um overclocking de 25%, ou seja, FSB = 333 MHz e Freqüência de CPU = 3.0 GHz, o que é bom, porque não limita os jogos de 3 GHz, e é um pouco melhor do que o Q9550, com sua freqüência nominal (2.83 GHz), no Windows 7
O Vcore está definido, manualmente, em 1.3V (medido em 1.232V no BIOS)

Observação sobre o Vcore do Q6600:
O Vcore nominal do Q6600 com 2.4 GHz é de 1.200 V (medida BIOS), e devemos subir para 1.232V para obter 3 GHz, a 1.296V para obter 3.2 GHz, e 1,368 V para obter 3.4 GHz .

O overclocking com 3GHz requer apenas um pequeno aumento do Vcore:

Especialmente recomendado!!!

Concluindo, recomendo que você adicione, se possível, em sua caixa, um ou dois ventiladores de 120 mm no lado esquerdo do PC, e, se possível, controlados, em velocidade, pelo BIOS: é a melhor maneira de refrigerar corretamente os componentes sensíveis da placa-mãe (northbridge, MOSFET, RAM, etc).

Veja o interior do meu PC com o Q6600, podemos ver o OCZ Vendetta cooler no centro, e ventiladores laterais, na porta, à esquerda:


Veja também

Publicado por pintuda. Última modificação: 14 de julho de 2010 às 12:36 por pintuda.
Este documento, intitulado 'Overclocking das placas-mãe com chipset de P35 e derivados', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.