Editores - O famoso troll vim/emacs

Novembro 2016


Este título faz rir mais de um, e certas pessoas compreenderão. Na verdade existe uma grande discórdia, muito seguido sem fundamento, entre os usuários de vim e de emacs. Estes dois editores, mesmo sendo parecidos em certos pontos, cada um têm suas próprias características.

Algumas pessoas que não se preocupam com isto, tentarão influenciar sua escolha baseando-se em suas escolhas pessoais lhe dizendo coisas tais como: emacs é o melhor ou vim é que é o melhor.

De fato, estes dois editores são totalmente diferentes, e foram concebidos para tarefas bem diferentes.

Emacs é antes de tudo dirigido para um ambiente de trabalho , enquanto que vim é dirigido para um editor de texto. Os dois editores são bastante complexos, e bastante pesados (mais ou menos 5 Mo para vim, e 20 para emacs) e não se utiliza, ou muito pouco, o mouse.
Aqueles que usam emacs o apreciam, além das suas qualidades como um editor, pelo fato de ser extensível graças à elisp (uma variante do Lisp), que ele propõe, em uma única interface, notícias, web, CVS, e-mail, navegação na Web de arquivos, e um escudo (o shell emacs) (há também outros módulos, mais ou menos úteis, trazendo jogos, chat, e outros gadgets). No entanto, alguns criticam o seu peso, e o número impressionante de atalhos de teclado que proporcionam, obviamente, um desafio para limpar a memória, mas também os dedos, por vezes, bastante tortuoso.
O uso dos "modos" para cada idioma pode desfrutar de funções de substituição / Conclusão / compilação avançadas e adequadas para cada um.
De passagem, emacs é o editor oficial do projeto GNU, por isso é muito (por vezes demasiado) ligada ao GNU / Linux.
Vim, por sua vez, é conhecido pela sua leveza, mas também por seus muitos e excelentes suporte, que permitem fácil buscas e substituições. É muito mais orientado para a publicação, como tal, ao invés de tarefas relacionadas como o emacs, o torna um bom editor para programadores que fazem provavelmente somente isso. Ele oferece poucos atalhos de teclado, e ele trabalha em dois modos. Modo "Insert", que permite inserir texto e modo de edição, que executa várias operações de edição. Ele é muito rápido e fácil de alternar entre esses dois modos.
Enquanto que alguns lhe criticam de ser muito simplista, muito complexo, as pessoas preferem seguidamente os atalhos de teclado às cadeias de comandos (muito curtas, por exemplo, « :q »).

Os editores são muito diferentes, portanto o troll continua existindo. Como foi dito acima, estes dois editores são bastante complexos. As pessoas que preferem editores mais simples, deveriam voltar-se para nano e Joe, ou então para SciTE, GEdit, KWrite (em gráfico).

O importante é o de tentar objetivamente as diversas alternativas, para fazer a escolha que corresponde o mais possível as suas necessidades e hábitos.


Tradução feita por Ana Spadari

Veja também :
Este documento, intitulado « Editores - O famoso troll vim/emacs »a partir de CCM (br.ccm.net) está disponibilizado sob a licença Creative Commons. Você pode copiar, modificar cópias desta página, nas condições estipuladas pela licença, como esta nota aparece claramente.