Autoridades dizem que a epidemia de cólera no Haiti é do tipo mais perigoso


Gráficos com informações sobre a transmissão da cólera

A epidemia de cólera no Haiti é do tipo mais perigoso, afirmou nesta sexta-feira o ministro da Saúde, Alex Larsen, após reunião de crise mantida com o presidente René Préval para adotar medidas para enfrentar a propagação da doença, que já causou 135 mortes.

A epidemia de cólera no Haiti é do tipo mais perigoso, afirmou nesta sexta-feira o ministro da Saúde, Alex Larsen, após reunião de crise mantida com o presidente René Préval para adotar medidas para enfrentar a propagação da doença, que já causou 135 mortes.

No entanto, a Organização Mundial da Saúde declarou que prefere esperar os resultados de novas análises para confirmar se realmente se trata de uma epidemia de cólera.

Larsen informou que a cepa é do tipo "01", que, segundo a OMS, está na origem da maioria das epidemias desta doença no mundo.

"É alerta máximo, devemos nos manter mobilizados as 24 horas do dia para ajudar o governo a fazer frente a esta situação", disse o presidente da Associação Médica Haitiana, Claude Surena.

Análises bacteriológicas rápidas para detectar a presença da doença no Haiti acusaram positivo, revelou a OMS, mas a agência prefere esperar resultados definitivos para confirmar a presença do vírus no norte da ilha.

"A confirmação final continua em suspenso", afirma a OMS, recordando que a cólera desapareceu do Haiti há mais de um século.

Uma porta-voz da OMS em Genebra, Fadela Chaib, indicou que, depois de um pedido do Haiti, foi enviado a esse país uma equipe de especialistas para vigiar a evolução do que a organização se limita a chamar de "epidemia diarreica".

As autoridades estão preocupadas com a possibilidade de que a epidemia se propague em consequência da mobilização da população nos acampamentos improvisados depois do terremoto de 12 de janeiro e onde moram milhares de pessoas.

Surena informou na véspera que a epidemia de cólera que atinge o norte do Haiti já matou 135 pessoas e deixou mais de 1.500 infectadas nos últimos dias.

"Constatamos 135 óbitos (por cólera) e 1.498 casos de pacientes com diarreia (...) e segundo análises de laboratório, trata-se de cólera", disse Surena à AFP.

Números anteriores divulgados pelas autoridades sanitárias mostravam que pelo menos 50 pessoas morreram por diarreia aguda e centenas eram tratadas em hospitais locais enquanto testes de laboratórios estavam sendo realizados para determinar a causa da doença.

Segundo rádios locais, a situação mais grave ocorre em Saint Marc, 100 km ao norte de Porto Príncipe, onde há 26 óbitos e mais de 400 hospitalizados.

Em Verette, na mesma zona, a cólera matou 18 pessoas, e outras três faleceram em Mirebalais, no centro do país.

A cólera é transmitida pela água, mas também pela comida que esteve em contato com água contaminada pela bactéria.

A cólera causa muita diarreia e vômitos, seguidos de desidratação. Com um período de incubação pequeno, pode ser fatal se não for tratada a tempo.

A OMS afirma em seu site que a doença "atinge tanto crianças como adultos e pode matar em algumas horas".

Agências de ajuda humanitária têm manifestado durante meses seu receio de surtos de doenças que poderiam se espalhar rapidamente no Haiti devido às precárias condições sanitárias nos acampamentos de desabrigados, com pouco acesso à água potável.

O empobrecido país do Caribe tem sido atingido nos últimos dias por grandes inundações, piorando a miséria daqueles que lutam para sobreviver em barracas e acampamentos que agora permeiam o país.

© 2010 AFP

Assine nossa newsletter!

Assine nossa newsletter!