Comentar

Estudo revela violência contra a mulher no Twitter

Estudo revela violência contra a mulher no Twitter
Trabalho da Anistia Internacional mostra que mulheres negras são as vítimas mais atingidas.

(CCM) — Um em cada dez tweets que mencionam mulheres negras foi abusivo ou problemático em 2017. A informação é resultado de estudo feito pela Anistia Internacional em parceria com a Element AI, fornecedora global de software de inteligência artificial. Na segunda-feira (18), a organização divulgou o estudo, denominado Violência e Abuso contra as Mulheres no Twitter.

A pesquisa foi feita com mulheres influentes do Reino Unido e Estados Unidos. A mostra era composta por mulheres ocupantes de cargos eletivos e jornalistas de uma variedade de publicações britânicas e americanas, incluindo 'The Daily Mail', 'The New York Times', 'Guardian' e 'The Sun'. Mas mesmo tratando-se de pessoas de destaque e representantes de todas as esferas sociais, a quantidade das interações dos chamados haters foi alta.

O processo consistia em avaliar os comentários e interações com estas personalidades nas redes sociais. Mais de 6.500 voluntários em 150 países concordaram em participar da chamada Troll Patrol, um projeto participativo exclusivo para processar uma grande quantidade de dados sobre violência online que vem sendo realizado pela Anistia Internacional.

Esses voluntários classificaram 228.000 tweets enviados para 778 políticas e jornalistas no Reino Unido e nos Estados Unidos em 2017. A ideia da Anistia Internacional é chamar a atenção para o problema de racismo e violência contra mulheres e tentar mobilizar a sociedade no combate a estes casos.

Foto: © Twin Design- Shutterstock.com