5
Obrigado

Algumas palavras de agradecimento nunca são demais.

PIX: o que é e como funciona

Novo meio de pagamento promete substituir as transferências bancárias e vai funcionar 24 horas por dia com confirmação instantânea.




O que é o Pix?

O Pix é um meio de pagamento eletrônico desenvolvido pelo Banco Central do Brasil que estará disponível ao público a partir de novembro de 2020. Sua principal característica é permitir uma transferência de fundos instantânea e ativa 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Como funciona o Pix?

O Pix chega ao mercado prometendo substituir as transferências entre bancos dos tipos TED e DOC. Atualmente, essas modalidades de pagamento têm taxas elevadas, os valores demoram a ser creditados na conta de destino e há restrições de horários.

O Pix é exatamente o contrário. O Banco Central cobrará R$ 0,01 por 10 transferências, os pagamentos podem ser feitos a qualquer momento e os valores são repassados ao recebedor de maneira imediata. Além disso, o processo para envio de dinheiro é altamente descomplicado, com a troca de um conjunto de dados (agência e número da conta, código da instituição e CPF ou CPNJ) por apenas a chamada chave Pix.

O que são as chaves Pix?

A chave Pix é uma informação que você repassa a quem enviará dinheiro para você para identificar sua conta. O Banco Central permitirá o cadastro de cinco chaves Pix por conta bancária. Essa chave pode ser seu CPF (ou CNPJ, no caso de empresas), endereço de e-mail, número de telefone ou uma chave aleatória, gerada pela instituição bancária. Além disso, será possível gerar um QR code que funcionará como sua chave Pix e precisará simplesmente ser lido pelo celular de quem fará a transferência.



Assim, um pagamento via Pix acontecerá da seguinte forma: o destinatário da transferência informa sua chave Pix e o remetente insere apenas esse dado (no app do banco, carteira digital, caixa eletrônico etc) e localiza a conta do usuário para fazer o envio do dinheiro de maneira instantânea.

Como cadastrar uma chave Pix?

Desde o dia 5 de outubro, bancos e outras instituições financeiras estão permitindo o cadastro de chaves Pix por seus clientes. Para realizar esse cadastro, a maneira mais simples é acessar o serviço de internet banking da instituição para realizar o cadastro.

Vale destacar que não é possível utilizar um mesmo dado para se cadastrar em duas instituições financeiras diferentes. Assim, o ideal, caso você tenha conta em mais de um banco, é cadastrar apenas uma chave Pix em cada instituição. Ou seja, use seu CPF em um banco e seu e-mail em outro, por exemplo.

O Pix é seguro?

A segurança das transações é uma das características principais do Pix. A liquidação das transferências passa por uma infraestrutura única com criptografia para proteger os dados dos usuários. Além disso, o Banco Central afirma que o Pix contará com métodos inovadores de autenticação digital, mantendo a privacidade dos envolvidos e a segurança dos negócios.

Consequências do Pix

Além da substituição do TED e DOC, o Pix possui o potencial de reduzir de maneira considerável o uso de outros meios de pagamento, como boletos e cartão de débito, já que as empresas poderão simplesmente enviar um QR Code para pagamentos digitais em sites de e-commerce e caixas de lojas.



Outra novidade será a possibilidade de fazer saques em estabelecimentos comerciais. Como o valor da transação é simbólico, o cliente poderá fazer uma transferência via Pix para a loja e receber o valor em espécie.

O pagamento de tributos e outras obrigações ao governo, como multas de trânsito, contribuições previdencárias, Imposto de Renda, também poderá ser feito através do Pix, simplificando o processo de pagamento, que hoje exige a digitação de uma série de dados das guias governamentais.

Foto: © Pix.
Este documento, intitulado 'PIX: o que é e como funciona', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.

0 Comentário