0
Obrigado

Algumas palavras de agradecimento nunca são demais.

Golpes mais comuns do WhatsApp e como evitá-los

O WhatsApp é um dos aplicativos mais utilizados em todo o mundo. Estima-se que ele esteja presente em 99% dos smartphones dos brasileiros e, por isso, também é alvo de inúmeros golpes. Conhecê-los e saber a melhor forma de se proteger é essencial para não ter sua conta invadida ou hackeada. Veja os golpes mais comuns do WhatsApp a seguir.



O WhatsApp é um aplicativo de mensagens amplamente utilizado em todo o mundo, seja por sua facilidade de enviar textos, áudios ou fotos quanto pela possibilidade de fazer chamadas por áudio e vídeo. Por isso mesmo, os golpes na plataforma se multiplicaram, exigindo cuidado dos usuários.

Uma das fraudes mais aplicadas é a clonagem ou sequestro de conta. Entender como esse procedimento funciona e como é possível se proteger dele é fundamental para evitar que isso aconteça com você. Conheça, a seguir, os golpes mais comuns no WhatsApp.

Clonagem de conta

Neste golpe de clonagem do WhatsApp, criminosos se aproveitam de anúncios em sites de classificados para direcionarem ataques. Com o nome, contato e objeto à venda do usuário, eles ligam para a vítima e dizem que há um problema com o anúncio, sendo necessário informar um código recebido por SMS para liberá-lo. Esse código, no entanto, é um golpe, que instala o WhatsApp em outro telefone.

Esse falso SMS também surge como convites falsos para festas com famosos, por exemplo, em que a pessoa precisa repassar o código recebido por SMS para confirmar sua participação.

Uma vez instalado o WhatsApp no telefone dos criminosos, eles podem ter acesso às conversas e aos contatos do usuário. Na sequência, eles se passam pela vítima, enviando mensagens a familiares e amigos e pedindo dinheiro emprestado.

Para se proteger desse golpe, a recomendação é ativar a verificação em duas etapas no WhatsApp, acessando, no próprio aplicativo, Configurações > Conta > Confirmação em duas etapas > Ativar. Essa ferramenta pede que os usuários criem uma senha numérica de seis dígitos, que será exigida na reinstalação do aplicativo. Assim, mesmo com o código SMS, os criminosos não conseguirão assumir o controle da conta.

Phishing

Esse golpe de phishing era bastante comum nos e-mails, mas agora chegou também ao WhatsApp. Nele, os criminosos enviam mensagens em massa para enganar os usuários. Com ofertas fora da realidade, eles atraem a atenção do usuário para links falsos para roubar informações ou infectar dispositivos.

Prêmios, vagas de emprego ou ofertas muito boas são utilizados como isca para atrair as vítimas. Por isso, o usuário deve sempre desconfiar quando receber algo assim, acessando a página oficial da empresa para verificar se isso realmente existe.

Golpe do crédito falso

Outro golpe bastante comum é o do crédito falso. Nele, os criminosos enviam mensagens em massa e anunciam a liberação de créditos pré-aprovados em bancos. As propostas são tentadoras, com altos valores a juros baixos e condições especiais.

Entretanto, para ter acesso a esse crédito, o usuário deve antecipar o pagamento de taxas. Depois de fazer isso, ele não recebe mais o valor pago e nem o crédito prometido.

A recomendação é que os clientes que receberem propostas pesquisem se as empresas existem, olhando as páginas oficiais. Contatos por e-mail ou mensagem não são feitos por bancos ou fintechs, então vale a pena prestar atenção.

Clonagem do cartão SIM

Esse golpe funciona da seguinte maneira: os criminosos recadastram o número de telefone da vítima em outro chip, assumindo o controle em outro smartphone. Com o controle do número de telefone, os criminosos podem facilmente instalar o WhatsApp, já que o código de instalação por SMS será recebido por eles. Aqui, novamente, a verificação em duas etapas é recomendada para se proteger.

Foto: © Rachit Tank - Unsplash
Veja também
Este documento, intitulado 'Golpes mais comuns do WhatsApp e como evitá-los', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM (br.ccm.net) ao utilizar este artigo.

Assine nossa newsletter!

Receba toda semana o melhor conteúdo

Assine nossa newsletter!